IDENTIDADES E ESTEREÓTIPOS FEMININOS EM "NOSOTRAS QUE NOS QUEREMOS TANTO", DE MARCELA SERRANO

Ângela Paula Nunes Ferreira, Cristina Bongestab
2019 Revista Graphos  
A escritora chilena contemporânea Marcela Serrano possui uma vasta obra que apresenta como ponto comum o fato de apresentar protagonistas mulheres a partir de discursos feministas. Considerando a importância da sua obra no contexto latino-americano, neste artigo, nos propomos a realizar, à luz da Crítica Feminista e dos Estudos Culturais, uma leitura da narrativa Nosotras que nos queremos tanto, buscando examinar de que maneira esta obra se constitui em forma de resistência à desigualdade entre
more » ... os gêneros em nosso continente. Para tanto, buscamos verificar como se manifesta a representação das mulheres e das relações de gênero na narrativa da escritora, destacando como, nesses espaços, discursos são usados para resistirem a uma cultura patriarcal e sexista que justifica e perpetua práticas intolerantes em relação às mulheres. A metodologia utilizada consiste na leitura analítico-discursiva da narrativa, o que requer uma revisão da teoria dos Estudos Culturais e da Crítica Feminista. Na obra, a autora apresenta quatro personagens mulheres, Ana, Sara, Isabel e Maria que são caracterizadas a partir de identidades e estereótipos ligados ao universo feminino, desconstruindo discursos machistas e estereotipados em relação às mulheres, que por muitos séculos se fizeram presentes no discurso tradicional literário. Assim, podemos afirmar que a narrativa se constitui a partir de discursos feministas e de resistência ao modelo androcêntrico que vigorou por séculos em nossa sociedade, estendendo-se ao campo literário, responsável por violência e opressão contra as mulheres.
doi:10.22478/ufpb.1516-1536.2018v20n2.44125 fatcat:cnadrpde6rge5fkbg22yi4rd3m