Valores de energia metabolizável de alimentos para pintos de corte na fase pré-inicial

Kamilla Ribas Soares, Antonio Gilberto Bertechini, Édison José Fassani, Paulo Borges Rodrigues, Elias Tadeu Fialho, Adriano Geraldo, Jerônimo Ávito Gonçalves de Brito
2005 Ciência e Agrotecnologia  
Um experimento foi realizado no Setor de Avicultura da Universidade Federal de Lavras (UFLA), com duração de 6 dias, para determinar os valores energéticos de fontes protéicas para pintos de corte na fase pré-inicial. Utilizaram-se 480 pintos machos, Cobb, com 1 dia de idade que foram submetidos à metodologia de coleta total de excretas e distribuídos em 9 tratamentos com 6 repetições. Os tratamentos foram compostos por 4 alimentos protéicos de origem vegetal (farelo de soja, soja integral
more » ... soja integral tostada, soja micronizada e farelo de glúten de milho) que substituíram a ração referência (RR) em 30% e 4 alimentos protéicos de origem animal (farinha de carne e ossos 40% e 45% de PB, farinha de peixe e farinha de vísceras), que substituíram a RR em 20%. Simultaneamente, 6 repetições de 8 aves foram colocadas em jejum para a determinação das perdas endógenas. As variáveis estudadas foram energia metabolizável aparente (EMA), verdadeira (EMV) e as EMA e EMV corrigidas para balanço de nitrogênio (EMAn, EMVn). Os alimentos de origem vegetal obtiveram valores de energia inferiores aos obtidos nas tabelas usuais de composição dos alimentos e os alimentos de origem animal, valores superiores.
doi:10.1590/s1413-70542005000100030 fatcat:2howhmytcvf5thcdliuopwcb6q