Correlação entre risco de quedas, vulnerabilidade e composição corporal de idosos de um centro de atenção integral a saúde do idoso

Miguel Jânio Costa Ferreira, Andréa Santana Carneiro, Alisson Sousa Santos, Elaine Farias Ibiapina, Lisiane Fernanda Simeão, Almir Vieira Dibai Filho, Daniela Bassi Dibai, Maria Claudia Gonçalves
2022 Acta Fisiátrica  
Objetivo: Investigar a correlação do risco de queda com a diminuição da mobilidade funcional, vulnerabilidade e a obesidade em idosos. Método: Estudo transversal, foram avaliados idosos ativos de ambos os sexos, idade entre 60-85 anos e excluídos voluntários que não realizaram os testes avaliativos propostos para identificar a mobilidade funcional e o estado nutricional. Foram aplicados os testes Índice de Massa Corporal (IMC) que classificou o estado nutricional desnutrição IMC ≤ 22, risco
more » ... icional IMC= 22.1-24.0, peso ideal IMC= 24.1-27.0, sobrepeso IMC 27.1-30 e obesidade com IMC > 30.0, o Timed Up & Go (TUG) para identificar a mobilidade funcional e os riscos funcionais relacionados a quedas em idosos e a classificação adotada para este estudo foi ≥ 10s sendo indicadores de risco de quedas e o Vulnerable Elders Survey (VES-13) que classificou como idoso vulnerável os voluntários com a pontuação > 2 pontos. A análise estatística foi realizada em 95% nível de confiança e p<0,05. Resultados: Participaram 104 idosos, classificados com ausência de risco para quedas (67.3%), não vulneráveis (67.3%) e como obesos (24%). Não foi observada correlação entre obesos com o risco de quedas no tempo em segundos do TUG [ρ= -0.115; p>0.05] e com a classificação do TUG [ρ= -0.152; p>0.05]. Porém, foi observada correlação entre a vulnerabilidade com o risco de quedas no tempo em segundos do TUG [ρ= 0.217; p<0.05]. Conclusão: Não foi observada correlação entre obesidade e risco para quedas. Contudo, verificou-se que quando mais vulnerável maior é o risco para quedas.
doi:10.11606/issn.2317-0190.v29i1a185748 fatcat:s75b7npfbbgznimkzbyqjkkkwy