A CRÔNICA EM SALA DE AULA: TRABALHANDO COM UM GÊNERO menormENORMEnormenor..

Maria Cristina Cardoso Ribas, Milena Salles Marques Domás, Ketiley Da Silva Pessanha
2009 Soletras Revista  
Milena Salles Marques Domás (UERJ) Ketiley da Silva Pessanha (UERJ) 2 INTRODUÇÃO Crônica Era uma vez o mundo. (Oswald de Andrade) Ao lermos o poema-comprimido de Oswald, podemos encontrar um "dístico conceitual". Para além da via etimológica, sem, no entanto descartá-la, a concisão do modernista antropofágico formula uma inteligente explicação. De maneira condensada, encontramos apenas dois pequenos versos, cuja banalidade encanta pela precisão e pela habilidade do poeta que se permite explicar
more » ... se permite explicar sem enquadrar, que ao mesmo tempo formula e desliza da grade conceitual. Assim Oswald junta, sob o título crônica, a condição híbrida desse gênero textual, considerado por tanto tempo e grande parte da crítica, como gênero menor. E justamente o hibridismo e o teor corriqueiro formulam a sua condição de fertilidade. Qual seria, então, o valor da crônica na lente oswaldiana?
doi:10.12957/soletras.2009.7026 fatcat:5faa6bgnvnfnthhxrsyectfppu