Ligações perigosas: as relações entre Estado e ciência no Brasil do pós-guerra

Sérgio Gil Marques dos Santos
2001 História, Ciências, Saúde: Manguinhos  
A recente edição em língua portuguesa do livro Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora nos convida, a nós leitores brasileiros, à leitura de mais um trabalho de Bruno Latour. Particularmente, instiga-me saber por que, dentre tantos autores dos chamados estudos sociais da ciência, Latour tanto se destaca entre nós. Afinal este é o terceiro livro deste filósofo e professor do Centre de Sociologie de l'Innovation (CSI), 1 aqui publicado. 2 Muito embora, alguns haverão
more » ... ora, alguns haverão de retrucar, se trate de obras quase obrigatórias, uma vez presentes nas referências bibliográficas da maior parte dos trabalhos sobre as relações entre ciência, tecnologia e sociedade. No entanto, Ciência em ação distingue-se de grande parte da produção anterior de Latour, lembrando que sua primeira edição, em língua inglesa, é de 1987 pela Havard University Press. Distingue-se por não ser um estudo denso de uma instituição de pesquisa ou de um fato científico, a exemplo dos precedentes Laboratory life (com Woolgar, 1979) e Les microbes: guerre et paix (1984). Não, aqui seguimos um Latour entretido com uma série de estudos de caso, alguns realizados por outros pesquisadores. 3 Um Latour preso à tentativa de estabelecer as recorrências e as singularidades entre as situações e os contextos relatados nesses estudos, para então pensar nas problemáticas e métodos compartilhados por seus autores. Pensar, portanto, na possibilidade de um campo de pesquisa interdisciplinar dedicado às relações entre ciência, tecnologia e sociedade. Reivindicando, sobretudo, uma forma de análise não centrada no social nem só no técnico, porém capaz de respeitar a dinâmica não hierárquica e não-linear de suas imbricadas relações. Projeto ambicioso, conduzido pelo autor para desembocar no estabelecimento de regras ("indico as decisões que são necessárias tomar a priori na consideração de todos os fatos empíricos criados pelas disciplinas especializadas") e princípios ("indico a minha síntese pessoal dos fatos empíricos em mãos após dez anos de trabalho nessa área",
doi:10.1590/s0104-59702001000200015 fatcat:sx77knbxvbdqdh7ccw677uwfku