Pedagogia da contextualização e interculturalidade na formação de professores indígenas: entrevista com Maria do Socorro Pimentel da Silva

Lilian Abram dos Santos
2020 Tellus  
Entrevista com a professora Maria do Socorro Pimentel da Silva. O curso de Educação Intercultural do Núcleo Takinahakỹ de Formação Superior Indígena, da Universidade Federal de Goiás, é uma licenciatura específica para a formação de professores indígenas, iniciada em 2007. O curso atende, atualmente, estudantes de 27 povos indígenas, dos estados de Goiás, Maranhão, Mato Grosso e Tocantins, sendo um exemplo da possibilidade de realização de uma educação escolar indígena verdadeiramente
more » ... eiramente intercultural, bilíngue, específica e diferenciada e, antes de tudo, com o objetivo de romper com o histórico de educação assimilacionista e colonizadora. Maria do Socorro Pimentel da Silva esteve à frente da criação do curso de Educação Intercultural. Devido à sua extensa experiência como docente na educação escolar indígena, Maria do Socorro pode, há 12 anos, conceber, juntamente com representantes indígenas e docentes da UFG, um projeto pedagógico inovador, no sentido de não somente se preocupar com a formação de professores, mas, sobretudo, de se lançar na aventura de compor uma nova base epistêmica para as escolas indígenas e para a própria universidade. Maria do Socorro Pimentel da Silva é pedagoga, mestra em Letras e Linguística pela UFG e doutora em Linguística Aplicada ao Ensino de Línguas pela PUC-SP. Tanto no mestrado quanto no doutorado realizou pesquisas junto ao povo Karajá. Fez seu estágio de pós-doutorado na Unicamp e, em fevereiro de 2019, se tornou professora titular da Faculdade de Letras da UFG. Com o projeto Maurehi, na aldeia Buridina do povo Karajá (GO), foi uma das pioneiras nos estudos e pesquisas de revitalização linguístico-cultural no Brasil. Também demonstrou postura visionária, ao criar a Revista Articulando e Construindo Saberes cujo escopo é a publicação de pesquisas relacionadas à decolonização de saberes e às práticas pedagógicas pluriepistêmicas e interculturais.
doi:10.20435/tellus.v0i42.681 fatcat:q42e7dnxqbhetlzzp6j7rlwtji