Funcionamento do atendimento educacional especializado na educação infantil: descrição da opinião de pais e professores (Functioning of educational assistance specialized in early childhood education: description of the opinions of parents and teachers)

Aline Ferreira Rodrigues Pacco, Fabiana Cia
2019 Revista Eletrônica de Educação  
It is recommended by the policy that preschool children of special education target receive the specialized educational service - ESA, so the present study aims to characterize the ESA organization in Early Childhood Education from the opinion of the ESA teacher, teacher of collaborative teaching, common room and family teacher. A descriptive study was carried out, with the participation of four common classroom teachers, a multifunctional resource room teacher, a collaborative teaching teacher
more » ... ve teaching teacher and two families of students with disabilities. Structured interviews were conducted with the participants. The data were analyzed through clustering of thematic axis. The results demonstrate that all participants understand the importance of the work in the Multifunctional Resource Room, however, some teachers point out that the presence of the collaborative teacher in the classroom is being more beneficial to the process of school inclusion. In addition, it can be seen that the relationship between teachers and the family still lacks the establishment of greater communication and trust.ResumoÉ preconizado pela política que crianças em idade pré-escolar público alvo da educação especial receba o atendimento educacional especializado - AEE, assim o presente estudo tem como objetivo descrever o funcionamento do AEE, na Educação Infantil a partir da opinião do professor do AEE, professor do ensino colaborativo, professor da sala comum e da família. Realizou-se um estudo em que participaram quatro professores de salas de aula comum, um professor da sala de recursos multifuncionais, um professor do ensino colaborativo e dois familiares de alunos com deficiência. Foram realizadas entrevistas estruturadas com os participantes. Os dados foram analisados por meio de agrupamento de eixo temático. Os resultados demonstraram que todos os participantes compreendem a importância do trabalho na Sala de Recursos Multifuncional, no entanto, alguns professores apontam que a presença do professor colaborativo em sala de aula está sendo mais benéfica para o processo de inclusão escolar. Além disso, percebe-se que a relação entre os professores e a família ainda carece de estabelecimento de maior comunicação e confiança.ResumenEn el presente estudio se propone la caracterización de la organización del AEE en la Educación Infantil a partir de la opinión del profesor de la AEE, profesor de la educación de adultos, de la enseñanza colaborativa, profesor de la sala común y de la familia. Se realizó un estudio descriptivo, en el que participaron cuatro profesores de aulas comunes, un profesor de la sala de recursos multifuncionales, un profesor de enseñanza colaborativa y dos familiares de alumnos con discapacidad. Se realizaron entrevistas estructuradas con los participantes. Los datos fueron analizados por medio de agrupamiento de eje temático. Los resultados demuestran que todos los participantes comprenden la importancia del trabajo en la Sala de Recursos Multifuncional, sin embargo, algunos profesores apuntan que la presencia del profesor colaborativo en el aula está siendo más beneficiosa para el proceso de inclusión escolar. Además, se percibe que la relación entre los profesores y la familia todavía carece de establecimiento de mayor comunicación y confianza.Palavras-chave: Educação especial, Educação infantil, Atendimento educacional especializado.Keywords: Special education, Child education, Specialized educational assistance.Palabras claves: Educación especial, Educación infantil, Atención educativa especializada.ReferencesBRASIL. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Resolução n°2 de 11 de setembro de 2001, Brasília, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/resolucao2.pdf. Acesso em: 05/04/2017.BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Portaria nº 948, de 09 de outubro de 2007, Brasília, 2008. Disponível em: http://peei.mec.gov.br/arquivos/politica_nacional_educacao_especial.pdf Acesso em: 10/04/2017.BRASIL. Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Ministério da Educação, Brasília, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf. Acesso em: 29/06/2017.BRASIL. Lei N°12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências, Brasília, 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm. Acesso em: 25/06/2017.BUJES, Maria Isabel Edelweiss. Escola Infantil: Pra que te quero?. In: CRAIDY,Carmem; KAERCHER, Gládis Elise (Artemed/Org). Educação Infantil: Pra que te quero?, 1°ed, Porto Alegre: Artemed, 2001, p.13-22.CIA, Fabiana et al. Relação família e escola na Educação Infantil de crianças Público Alvo da Educação Especial: Possibilidades e Desafios. In: CARNEIRO, Relma Uriel Carbone et al. (PACO/Orgs). Educação Especial e inclusiva: Mudanças para a escola e sociedade, 2° ed, Jundiaí: Paco Editorial, 2014, p.75-107.COTONHOTO, Larissy Alves. Currículo e Atendimento Educacional Especializado na Educação Infantil: possibilidades e desafios à inclusão escolar. 2014. 275f. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2014.FRANCO, Maria. Laura Puglisi Barbosa. Análise de conteúdo. 3°ed., Brasília: Plano editora, 2003, 89 p.FREIRE, Sofia. Um olhar sobre a inclusão. Revista da Educação, Portugal, v.16, n.1, p.5-20, 2008. LEAL, Patrícia Maristela de Freitas. O Brincar na Educação Infantil e o Desenvolvimento Integral da Criança. 2017. 80p. Dissertação de Mestrado. Universidade do Vale do Sapucaí, Pouso Alegre, 2017.LIBÂNEO, José Carlos. Didática. 1°ed., São Paulo; Cortez, 1994, 264 p.MENDES, Enicéia. Gonçalves. Ensino Colaborativo como apoio à inclusão escolar: Unindo esforços entre educação comum e especial. 1 ed, São Carlos; Edufscar, 2014,162 p.MENDES, Enicéia Gonçalves; CIA, Fabiana; TANNÚS-VALADÃO, Gabriela. Inclusão escolar em foco: Organização e funcionamento do Atendimento Educacional Especializado. 1. ed. Marília: M&M, 2015. 520p.MILANESI, Josiane Beltrone; CIA, Fabiana. O atendimento educacional especializado nas salas de recursos multifuncionais da educação infantil. Revista Educação Especial: Santa Maria, Santa Maria, v.30. n.57, p.69-82. 2017.MOYLES, Janet. Fundamentos da educação infantil: Enfrentando o desafio. São Paulo: Artmed, 2010. 329p.PANIAGUA, Gema; PALACIOS, Jesus. A educação infantil é infantil?. In:_______. (Artemed/Orgs). Educação infantil: resposta educativa à diversidade. Trad. Fátima Murad. 1° ed, Porto Alegre: Artmed, 2007, p.11-29.RABELO, Lucélia Cardoso Cavalcante. Ensino colaborativo como estratégia de formação continuada de professores para favorecer a inclusão escolar. 2012. 200 f. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2012.RODRIGUES, Roberta Karoline Gonçalves. Atendimento educacional especializado na educação infantil: interface com os pais e professores da classe comum. 2014. 153p. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2014.SOUSA, Ana Paula de. A importância da parceria entre família e escola no desenvolvimento educacional. Revista Iberoamericana de Educação, Espanha, v. 44. n.7, p. 1-8, 2008. Disponível em: < https://rieoei.org/RIE/article/view/2172> Acesso em: 25/06/2017.
doi:10.14244/198271992687 fatcat:eyulchnvrfb6hmrwohgfybq2hq