A MÍSTICA CRISTÃ E O DIÁLOGO INTER-RELIGIOSO EM THOMAS MERTON E EM RAIMON PANIKKAR: PARA UMA MATURIDADE CRISTÃ E UMA MÍSTICA INTER-RELIGIOSA

FRANCILAIDE DE QUEIROZ RONSI
2015 ATUALIDADE TEOLÓGICA  
Linha de Pesquisa: Religião e Modernidade O reconhecimento da realidade religiosa, ricamente plural em que nos encontramos, nos convida a buscar formas para que seja possibilitado o convívio harmonioso em nossa sociedade. Para o Cristianismo, em especial, lhe é proporcionado a busca por uma intensa experiência nas mais profundas raízes de sua origem religiosa e a compreensão do signifi cado dessa pluralidade religiosa no projeto salvífi co de Deus e sua relação com o mistério de Jesus Cristo.
more » ... de Jesus Cristo. Por isso, acreditamos que, para o diálogo fecundo e acolhedor com as demais religiões, é de extrema importância a contribuição de um caminho espiritual enraizado na experiência de união com Deus, como possibilidade para que não se viva uma religiosidade muito epidérmica, recuperando a dimensão da experiência íntima do mistério de Deus e da experiência da unidade com ela. As experiências vividas por Thomas Merton e Raimon Panikkar, radicadas no cristianismo, de profunda intimidade com Deus, nos apresentam um caminho para um diálogo inter-religioso realizado a partir de uma madura experiência religiosa. A experiência de Thomas Merton é profundamente inseparável do amor a Deus e à humanidade, em um seguimento aos ensinamentos de Jesus Cristo na dedicação ao seu ministério de sacerdote, monge e eremita, ricamente fortalecida pelo amor aos humanos. Em Raimon Panikkar, encontramos uma pessoa marcada por quatro identidades religiosas, sem que lhe fosse negada sua primeira origem, o cristianismo, caracterizada por uma profunda experiência de encontro com Deus. Para Raimon Panikkar este é o kairós do milênio que recém se abriu para todas as religiões e continuar com pequenas reformas não tem sentido. É necessária uma grande transformação, porém profunda, uma metanóia! Segundo Thomas Merton e Raimon Panikkar o diálogo entre as experiências religiosas não se resume a
doi:10.17771/pucrio.ateo.25491 fatcat:x2wnxuomfncyrdysmqehq37fse