Níveis de ruído de incubadoras em situações experimentais de manejo: subsídios para o cuidado em unidades neonatais [thesis]

Andreza Monforte Miranda
DEDICATÓRIA Dedico este trabalho... Aos meus pais, Wagner e Rosângela, pelo amor incondicional, por me apoiarem em todas as decisões e, principalmente, por serem responsáveis pela minha alegria e conquistas. À minha irmã, Patrícia, por ser meu porto seguro, minha amiga e por estar sempre ao meu lado. Ao meu irmão, Henrique, pela cumplicidade, amizade e amor infinito. Às minhas avós, Elza e Luzia, por sempre estarem presentes em minha vida, pelo amor e dedicação. "O valor das coisas não está no
more » ... coisas não está no tempo em que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis". (Fernando Pessoa) AGRADECIMENTOS ESPECIAIS À minha orientadora, Adriana Moraes Leite, pela confiança depositada, dedicação e carinho, possibilitando que este trabalho fosse concretizado. À minha irmã, Patrícia, por ter participado de cada momento da construção deste trabalho, por mostrar serenidade e discernimento no momento certo. À professora Carmen Gracinda S.Scochi pela indispensável contribuição na elaboração, desenvolvimento e conclusão desse trabalho. À minha amiga Raquel Bosquim Zavanella Vivancos, pela ajuda especial nos vários momentos em que precisei, sua amizade foi fundamental. À Cláudia Benedita dos Santos, pela acessoria estatística, pelas contribuições para o aperfeiçoamento deste trabalho e pelo carinho. À Milena Domingos de Oliveira Rodarte, pela ajuda e contribuição fundamental na elaboração desse trabalho. À companheira Fabíola Lima Pereira, por ter ajudado na realização da coleta. À enfermeira Joselaine Vici Maia, por ter, efetivamente, contribuído e auxiliado na coleta, dispondo de suas preciosas férias. À equipe de enfermagem e funcionários das Unidades de Cuidado Intensivo e Intermediário, por possibilitar que a coleta fosse realizada. Aos colegas de pós-graduação Júlia, Élder, Michel e Luciano, que me viram chorar quando perdia o meu trabalho e conseguiram me fazer rir e pelas preciosas tardes de cafezinho. Aos funcionários do CEMB, pela disponibilidade e atenção. Ao CNPQ, pelo auxílio dado para a realização dessa pesquisa. E a todos que, de alguma forma, contribuíram para a conclusão deste trabalho. RESUMO MIRANDA, A.M. Níveis de ruído de incubadoras em situações experimentais de manejo: subsídios para o cuidado em unidades neonatais. 2009. 148f. Dissertação (Mestrado) -Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2009. Introdução. Pensar nos efeitos nocivos do ruído aos recém-nascidos (RN) com saúde debilitada se torna cada vez mais necessário devido aos avanços tecnológicos, ao aumento da sobrevida dos RNs de baixo peso, com maiores períodos de hospitalização. Objetivo geral. Avaliar os níveis de ruído das incubadoras das unidades neonatais de um hospital universitário de Ribeirão Preto, SP, em situações experimentais de manejo. Método. Trata-se de estudo quantitativo do tipo quase-experimental, realizado com 20 incubadoras das unidades neonatais de um hospital universitário de Ribeirão Preto, SP, que se encontravam disponíveis durante o período de coleta de dados. O período de coleta foi de agosto a setembro de 2008. As incubadoras foram divididas em três grupos (1, 2, 3), conforme a marca, o modelo, tempo de uso e situação de manejo. As medidas foram realizadas sem a presença do RN, em uma sala afastada do fluxo rotineiro das unidades neonatais. Foi utilizado um dosímetro, modelo Quest 400, com o microfone fixado dentro da incubadora para mensurar o Nível de Pressão Sonora (NPS). Foram realizadas as mensurações dos níveis de ruído contínuo (funcionamento do motor, alarme soando, pulso oxímetro e bomba de infusão sobre a cúpula e seus alarmes) e de impacto (manipulação da portinhola e ato de colocar o frasco de álcool gel sobre a cúpula) nas incubadoras. Os ruídos de impacto foram analisados nos modos de manipulação cuidadoso e brusco. As medidas com o pulso oxímetro, bomba de infusão e o ato de colocar o frasco de álcool gel sobre a cúpula foram repetidas com a presença do cueiro sobre a cúpula da incubadora. Os valores mensurados de L eq , L max , L min dos ruídos contínuos e os valores de L peak dos ruídos de impacto foram analisados por meio dos valores medianos, mínimos e máximos. Resultados. Os valores medianos gerais dos três grupos encontrados para ruído contínuos foram: L eq de 55,2dBA para ruído de funcionamento das incubadoras; L eq 65,5dBA de para alarme da incubadora; para pulso oxímetro e alarme e bomba de infusão e seu alarme os L eq foram: 54,7dBA, 58,4dBA, 53,9dBA e 66,1dBA NPS, respectivamente. Com cueiro, os valores nessas situações foram: 54,0dBA, 57,8dBA, 55,1dBA e 61,7dBA NPS, respectivamente. Todos L max medianos de cada grupo nas situações anteriormente descritas estiveram acima de 65dBA e os L min acima de 47dBA. Os ruídos de manipulação alcançaram valores de L peak medianos gerais para os três grupos de 91,2dBA e 97,9dBA NPS para abrir a portinhola nos modos cuidadoso e brusco e 91,5dBA e 109,5dBA NPS ao fechar cuidadoso e brusco a portinhola, respectivamente. Os níveis atingidos ao colocar o álcool gel sobre a cúpula no modo cuidadoso com e sem cueiro variaram de 89dBA a 89,6dBA NPS e no modo brusco com e sem cueiro de 107dBA a 107,7dBA. Conclusão. Os níveis gerados pelas incubadoras e seus alarmes estão abaixo daquele recomendado pelas normas nacionais, mas acima da norma internacional. A presença de equipamentos sobre a cúpula e seus alarmes soando não intensificaram os níveis de ruído nas incubadoras, com exceção do alarme da bomba de infusão. Os níveis de ruído produzidos pela manipulação da incubadora e o ato de colocar o álcool gel sobre a cúpula foram intensos e o modo cuidadoso foi um recurso para diminuir os níveis sonoros. De um modo geral, o uso do cueiro não reduziu o ruído gerado pelos equipamentos sobre a cúpula e nem o ruído gerado pelo ato de colocar o álcool gel sobre a cúpula. Palavras-chave: ruído, incubadoras, medição de ruído, controle de ruídos, neonatologia ABSTRACT MIRANDA, A.M. Levels of noise in incubators in experimental handling situations: evidences for care in neonatal units. 2009. 148p. Thesis (Master) -University of São Paulo at Ribeirão Preto College of Nursing, Ribeirão Preto, 2009. Introduction. Technological advances and increase in survivorship of low birth weight newborns (NB), with longer periods of hospitalization, make each time more necessary to think about the noxious effects of noise to NB with weak health. Objective. to evaluate levels of noise in incubators of neonatal units in experimental handling situations, in a university hospital in Ribeirão Preto, state of São Paulo, Brazil. Method. Quantitative quasiexperimental study, carried out in 20 incubators in neonatal units during the data collection period, from August to September 2008, in a university-hospital in Ribeirão Preto, SP. Incubators were divided into three groups (1,2,3), according to brand, model, usage time and handling situation. Measuring occurred when NB were not in incubators, in a room far from usual neonatal unit routine work. A Quest 400 dosimeter with microphone fixed inside incubator was used to measure Sound Pressure Level (SPL). Levels of continuous noise (motor's functioning, alarm sound, pulse oximeter and infusion bombs on the incubator dome and their alarms) and impact noise (manipulation of incubator's door and putting the bottle of alcohol gel on the dome) in incubators were measured. Impact noises were analyzed for careful and rough manipulation. Measures with pulse oximeter, infusion bomb and putting the bottle of alcohol gel on the incubator dome were repeated with a swathe placed on the dome. Continuous noise L eq , L max , L min and impact noise L peak values measured were analyzed using mean, minimum and maximum values. Results. General mean values found for continuous noise in the three groups were: L eq intensity of 55,2dBA for incubator's functioning noise; L eq 65,5dBA for incubator's alarm; for pulse oximeter, alarm, infusion bomb and infusion bomb's alarm L eq were: 54,7dBA, 58,4dBA, 53,9dBA and 66,1dBA SPL, respectively. Using a swathe, values in the same situations were: 54,0dBA, 57,8dBA, 55,1dBA and 61,7dBA SPL respectively. All mean L max for each group in the previously described situations were over 65dBA and L min over 47dBA. Manipulation noises reached L peak general mean values for the three groups of 91,2dBA and 97,9dBA SPL for rough and careful opening of incubator door, and 91,5dBA and 109,5dBA SPL for careful and rough closing, respectively. Levels reached for putting alcohol gel on the incubator dome carefully, with or without swathe, varied from 89dBC to 89,6dBC SPL, and roughly, with or without swathe, varied from 107dBC to 107,7dBC. Conclusion. Noise levels generated by incubators and alarms are under national rules, but over international rules. The presence of equipments on the dome and the sound of incubator alarm do not increase the levels of noise in incubators, with exception of infusion bomb's alarm. Noise levels produced by incubator manipulation and putting alcohol gel on the incubator dome are intense, careful mode was a way to decrease noise levels. In a general way, the use of a swathe did not reduce noise generated by the equipments on the dome neither noise of putting alcohol gel on the dome.
doi:10.11606/d.22.2009.tde-15052009-092328 fatcat:6kfem47gvzccpfv7ya3eqvgoca