Estudo Longitudinal de Variáveis Dopplervelocimétricas do Ducto Venoso Fetal em Gestações Normais

Alessandra Cristina Marcolin
2002 Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia  
Objetivo: Avaliar a associação entre raça e densidade mineral óssea de uma amostra populacional de mulheres na pré-menopausa de Porto Alegre. Métodos: Amostra representativa de 158 mulheres com idade entre 25 e 45 anos residentes em Porto Alegre, RS, Brasil. Entrevistadores treinados aplicaram questionários padronizados, pré-testados e pré-codificados para estudar as características demográficas, socioeconômicas e hábitos comportamentais que associamse à densidade mineral óssea. A raça foi
more » ... ea. A raça foi determinada pela observação da cor da pele por entrevistador treinado e pelo número de ancestrais da raça negra. A densitometria óssea de corpo total (DMOT), por absormetria de Raio-X duo-energético (DXA) foi realizada no Hospital das Clínicas de Porto Alegre. Resultados: 105 mulheres que não apresentaram ancestrais da raça negra foram classificadas como brancas, 13 mulheres com um a dois ancestrais negros, como mistas e 40 mulheres com três ou mais ancestrais da raça negra, como negras. Uma associação significativa (p<0,05) foi encontrada entre a DMOT e o número de ancestrais da raça negra, ingestão de cálcio < 300 mg/dia, altura, renda familiar per capita e Dissertação de Mestrado apresentada à Universidade Federal do Rio Grande do Sul para obtenção do grau de Mestre em Medicina: Endocrinologia, em 21 de dezembro de 2001. consumo de bebidas alcoólicas. O conteúdo mineral ósseo total (CMOT) associou-se significativamente (p<0,05) somente com o número de ancestrais da raça negra, altura e peso. Na análise multivariada observamos que a altura, ingestão de cálcio, atividade física e número de ancestrais negros associaram-se com a DMOT de maneira significativa e independente. A associação das mesmas características com o CMOT, exceto o cálcio, também foram independentes e significativas. Estas variáveis explicaram 21,3% e 40,0% das diferenças de DMOT e CMOT, respectivamente. Na comparação entre os grupos divididos pelo número de ancestrais da raça negra as diferenças entre as médias de DMOT e CMOT entre brancas e negras foram significativas (p=0,0013), não havendo outras diferenças entre os três grupos. Conclusão: A raça identificada pelo número de ancestrais é o principal determinante da massa óssea medida pelo DMOT ou CMOT. Palavras -chave: Massa óssea. Densitometria. Menopausa. Menacme. Resumos de Tese 24 (4): 277, 2002 RBGO Resumos de Tese 24 (4): 277-278, 2002 RBGO Introdução: O ducto venoso (DV) é uma continuação da porção intra-abdominal da veia umbilical capaz de transportar sangue altamente oxigenado diretamente da placenta para o coração fetal, evitando que grande parte desse fluxo passe pela circulação hepática. Por meio deste "shunt", o sangue rico em nutrientes alcança o coração do feto, permitindo sua sobrevivência em situações de estresse. Estudos da circulação venosa fetal, com o método Doppler, têm demonstrado a importância do DV na avaliação do bem-estar do feto. Objetivos: Analisar qualitativamente as características das ondas de velocidade de fluxo no DV e estabelecer curvas de normalidade dos valores das variáveis Estudo Longitudinal de Variáveis Dopplervelocimétricas do Ducto Venoso Fetal em Gestações Normais
doi:10.1590/s0100-72032002000400011 fatcat:heueelnvsjfotm7zfzheqxm53a