O Megadesastre da Região Serrana do Rio de Janeiro – as Causas do Evento, os Mecanismos dos Movimentos de Massa e a Distribuição Espacial dos Investimentos de Reconstrução no Pós-Desastre

F. DOURADO, T.C. ARRAES, M.F. SILVA
2013 Anuário do Instituto de Geociências  
Resumo Todos os anos, no estado do Rio de Janeiro, dezenas de pessoas morrem e milhares são afetadas em decorrência de desastres naturais relacionados a eventos climáticos extremos, em especial as inundações e movimentos de massa. Nos últimos anos (2010 e 2011) mais de mil pessoas morreram nos desastres em Angra dos Reis, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro e na Região Serrana do Rio de Janeiro. O Megadesastre da Região Serrana do estado do Rio de Janeiro ocorreu entre os dias 11 e 12 de
more » ... os dias 11 e 12 de Janeiro de 2011, atingindo sete cidades da região serrana, principalmente as cidades de Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis, causando a morte de 947 pessoas. É considerado um dos maiores eventos de movimentos de massa generalizados do Brasil. O evento foi deflagrado por condições climáticas extremas de precipitação acumulada em 24 horas de 241,8 mm, com pico de 61,8 mm em uma hora, o que ajudou a perfazer a precipitação acumulada entre os dias 1º e 12 de Janeiro de 573,6 mm. Os principais tipos de movimentos de massa observados na área foram corridas de massa, detritos, terra ou de lama, os deslizamentos do tipo "Parroca", "tipo Rasteira", "tipo Vale Suspenso e os deslizamentos tipo "Catarina". Para a análise dos impactos na região, utilizaram-se os limites das bacias de 6ª ordem, que dividiram a região em quatro bacias: do Rio Piabanha, do Rio Preto, do Rio Grande e do Rio Macaé. Segundo dados da SEOBRAS, o estado investiu em recuperação da região após o desastre R$ 188.451.196,08 em 79 obras em seis municípios. O município que recebeu o maior número de intervenções foi Petrópolis (29) enquanto Nova Friburgo foi o município que mais recebeu recursos (R$ 91 milhões). Em termos de bacias, a bacia do Rio Preto foi a que recebeu o maior número de intervenções (31) e a que mais recebeu recursos foi a bacia do Rio Grande (R$ 101 milhões). Na relação habitante/recurso investido, a bacia do Rio Grande a que apresentou a maior relação (R$ 504,81 por habitante) e da mesma forma foi a que apresentou a maior relação investimento por km² (R$101,5/km²). Palavras-chave: Movimentos de massa; escorregamentos; desastres naturais Abstract Every year, in Rio de Janeiro State, dozens of people die and thousands are affected by natural disasters related to extreme weather events, especially floods and landslides. In last years (2010 and 2011) more than thousand people died in disasters in Angra dos Reis, in the Metropolitan Region of Rio de Janeiro City and in the mountainous region of Rio de Janeiro State. The Megadesastre event occured in the mountainous region of Rio de Janeiro between days 11st and 12nd of January 2011, affecting seven cities in this region, especially Nova Friburgo, Teresópolis and Petrópolis, killing 947 people. It is considered one of the biggest events of mass movements widespread in Brazil. The event was triggered by extreme weather conditions of accumulated rainfall in order of 241.8 mm in 24 hours, with a peak of 61.8 mm in one hour, which helped make up the accumulated rainfall between days 1st and 12nd January of 573, 6 mm. The main type of mass movements observed in the area was debrisflows, mudflow, slips type "Parroca", "Rasteira", "Vale Suspenso" and "Catarina". For the spatial analysis of impacts in the region, we used the boundaries of the basins of 6th order, which divided the region into four basins: Piabanha River, Preto River, Rio Grande River and Macaé River. According to data from State Government, was invested in the recovery R$ 188,451,196.08 in 79 works in six municipalities. The city that received the highest number of interventions was Petrópolis (29) while Nova Friburgo was the municipality that received funds (R$ 91 million). In terms of basins, the Rio Preto River basin was the one that received the highest number of interventions (31) and that more resources were given to the Rio Grande basin (R$ 101 million). In relation inhabitant / resources invested, the basin of the Rio Grande River with the highest ratio (R$ 504.81 per capita) and similarly showed the most relative investment per km ² (R$ 101.5 / km ²).
doi:10.11137/2012_2_43_54 fatcat:zh3ayqpq3zh2njrkddxklphlaq