Emoções manifestas por adolescentes escolares na pandemia COVID-19

Aline Dias Gomes, Claudia Mara de Melo Tavares, José Carlos Carvalho, Maryana Tavares e Souza, Marilei de Melo Tavares e Souza
2021 Research, Society and Development  
Diante da pandemia pela COVID-19 a principal ocupação dos adolescentes, os estudos, sofreu uma mudança abrupta com o isolamento social e a suspensão das aulas presenciais podendo acarretar sofrimento emocional a esse grupo. Objetivo: Identificar manifestações emocionais dos adolescentes escolares diante da pandemia por COVID 19 e estratégias de manejo emocional por eles adotadas. Método: Estudo exploratório-descritivo, realizado a partir da articulação Universidade-Atenção Básica-Escola. Foi
more » ... iado um questionário do Google Forms, via plataforma escolar aos adolescentes estudantes do ensino médio de uma escola pública da cidade de Niterói-RJ. Após um mês de disponibilização do questionário 15 estudantes responderam. Para análise dos dados calcularam-se as estatísticas apropriadas e as frequências absolutas e percentuais. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa – Parecer Nº 3.671.594. Resultados: As principais emoções expressas pelos adolescentes escolares diante da Pandemia foram cansaço (63,6%), tristeza (45,5%), saudades do colégio e dos amigos (45,5%), falta das aulas presenciais (18,2%), indiferença (27,3%) e depressão (9,1%). Emoções positivas como alegria (27,3%) também foram identificadas. Todos informam que tiveram parentes, amigos, vizinhos ou conhecidos infectados e 36,4% conheceram alguém que faleceu. Os dados evidenciaram que todos adolescentes estão conectados a uma rede virtual e apontam como estratégias de manejo emocional implementadas por eles mesmos: música (63,6%), redes sociais (54,5%), bate papo com amigos (45,5%), jogos/games (36,4%), igreja e namoro (27,3%), esporte, escola, filmes e séries (9,1%). Conclusões: Os adolescentes escolares estão vivenciando transtornos emocionais em decorrência da pandemia e têm implementado por conta própria estratégias de manejo emocional.
doi:10.33448/rsd-v10i3.13179 fatcat:cycffwowk5eilj6oveak6kfewm