Dossiê "Filosofia, Ciência e Magia"

Luan Corrêa da Silva
2021 Voluntas Revista Internacional de Filosofia  
Vem à lume o dossiê Filosofia, Ciência e Magia, correspondente ao Vol. 11, N. 3 (set.dez. 2020) da Voluntas: Revista Internacional de Filosofia (ISSN: 2179-3786), periódico da Seção Brasileira da Schopenhauer-Gesellschaft e do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal de Santa Maria. O presente dossiê discute, a partir de uma perspectiva filosófica, o tema da magia e sua relação com os outros campos do conhecimento. Nosso intuito é o de apresentar um debate amplo e
more » ... te amplo e responsável acerca da reflexão e da prática da magia em relação às epistemologias das ciências, por um lado, e ao pensamento político, por outro. Em tempos de obscurantismo intelectual e do ataque aos conhecimentos filosófico e científico em geral, convém retomar alguns temas que evidenciam aspectos importantes da realidade e de seu potencial transformador. A proposta é inspirada na importância que atribui Schopenhauer à magia para a compreensão de sua filosofia. Em Sobre a vontade na natureza (1836), o filósofo extrai da classificação das ciências, de Francis Bacon, a definição da magia como "metafísica prática", isto é, como contrapartida operativa e efetiva para a "metafísica teórica" apresentada em O mundo como vontade e representação (1819). A importância da magia para o pensamento de Schopenhauer é abordada neste dossiê por Marco Segala, em Between science and magic: the case of Schopenhauer, e por David López em Enfermedad, Medicina y Magia en el sistema filosófico de Schopenhauer. Ambos ressaltam a necessidade de se considerar o ambiente científico das preocupações de Schopenhauer para a sua compreensão da magia, em especial nas práticas do magnetismo animal e das curas simpáticas. O magnetismo animal também é tema do artigo de Federico Ferraguto, Fichte e a estrutura da magia, no qual o autor avalia criticamente a interpretação fichteana do mesmerismo. Judikael Castelo Branco, em Ciência, magia e filosofia em Eric Weil, nos apresenta a importância da relação entre filosofia, ciência e magia, mote que dá nome a este dossiê, para o pensamento de Eric Weil. Marco Antonio Valentim, em Ideias para uma termodinâmica noética e uma noética ígnea, explora a hipótese mágico-filosófica da possibilidade e necessidade de uma termodinâmica noética para compreensão do Antropoceno como Piroceno, hipótese que é baseada em Ficino e Agrippa, Starhawk e Castaneda. Castaneda também é tema do artigo de Rudinei Cogo Moor, em A atitude fenomenológica e o "caminho do guerreiro": aprendendo a "ver", desta vez, sob uma perspectiva fenomenológica. Tiago Brentam Perencini, em Viagens aos Infernos: a experiência visionária como ensaio para uma filosofia pré e pós humanista, enfrenta, adotando a arqueologia como procedimento de leitura, o problema da articulação entre filosofia e magia no curso da história ocidental. Léo Karam Tietboehl, em Palavra, ato, UFSM Voluntas: Revista Internacional de Filosofia
doi:10.5902/2179378663851 fatcat:l63r72f4lzb57cffvbo22sw6fq