A FORMAÇÃO DA SOCIEDADE CACAUEIRA E DO BRASIL MODERNO: UMA LEITURA DE TERRAS DO SEM FIM E GABRIELA, CRAVO E CANELA DE JORGE AMADO

Juliane Vargas, Welter
unpublished
RESUMO: A partir da leitura de Terras do sem fim (1943) e Gabriela, cravo e canela (1958) de Jorge Amado, têm-se como hipó-teses a sua escrita do Brasil, ou seja, a leitura cifrada feita pelo romancista através das problematizações (e solu-ções) da formação da sociedade brasileira entre o início do século XX e os anos 50. A outra hipótese diz respei-to à continuidade do ciclo de cacau nos romances, ou seja, à continuidade de Terras do Sem Fim em Gabriela, cravo e canela. Para tanto, partimos da
more » ... tanto, partimos da leitura dos romances, da discussão da posição que o narrador, em terceira pes-soa, ocupa e da estrutura romanesca em direção às discussões dos processos de modernização da região cacauei-ra e do Brasil. PALAVRAS-CHAVE: Cacau; Jorge Amado; Modernização; Narrador; Sociedade. Celebrado no Brasil e no mundo, Jorge Amado, escritor baiano que dispensa apre-sentações, completou, em 10 de agosto de 2012, seu centenário. Em ano de efeméride, suas contribuições para a literatura nacional são discutidas com afinco sob as mais diver-sas chaves de leitura e de releitura. Interessa-nos aqui discutir, através do seu narrador e da estrutura dos romances, a sua leitura sobre a formação da sociedade cacaueira e, por consequência, da brasileira, em dois momentos distintos de sua modernização, o que nomeamos aqui de "continuidade do ciclo do cacau". Estas reflexões serão pautadas por dois romances: Terras do sem fim (1943) e Gabriela, cravo e canela (1958). Aquele corresponde à fase comumente designada de primeira, e constitui um dos grandes romances deste momento de forte ligação do autor * Doutoranda em Literatura Brasileira pela UFRGS.
fatcat:cphcuq7jufdptbgb4xyadc6hqq