Avaliação do estado de saúde pelo Questionário de Angina de Seattle em pacientes com síndrome coronária aguda

Alexandre Schaan de Quadros, Emiliane Nogueira de Souza, Rubia Maestri, Camila Albarran, Carlos A. M. Gottschall, Rogério Sarmento-Leite
2011 Revista Brasileira de Cardiologia Invasiva  
RESUMO Introdução: Estudos que analisaram o estado de saúde não avaliaram diferenças entre pacientes com angina instável e infarto agudo do miocárdio com (IAMCST) e sem (IAMSST) elevação do segmento ST. Este estudo teve como objetivo comparar índices do estado de saúde, de acordo com o Questionário de Angina de Seattle (QAS), em pacientes com síndrome coronária aguda (SCA). Métodos: O QAS foi aplicado na admissão hospitalar e aos seis meses de acompanhamento em 391 pacientes com SCA. Foram
more » ... sados três domínios: limitação física (D1), frequência da angina (D3) e qualidade de vida (D5). Índices maiores em D1, D3 e D5 significam menor limitação física, menor frequência da angina e melhor qualidade de vida, respectivamente. Resultados: Na internação hospitalar, pacientes com angina instável apresentaram piores índices de frequência da angina e de qualidade de vida que os portadores de IAMSST, e piores índices de atividade física, frequência da angina e qualidade de vida que aqueles com IAMCST. Aos seis meses de seguimento, os pacientes com angina instável ainda apresentaram piores índices de atividade física, frequência da angina e qualidade de vida que os portadores de IAMCST, mas sem diferença significativa em relação aos pacientes com IAMSST. Pacientes com angina instável foram aqueles que apresentaram maior ganho em todos os domínios do QAS. Conclusões: No espectro da SCA, os pacientes com angina instável demonstraram pior estado de saúde, tanto na internação hospitalar como aos seis meses de acompanhamento, mas, por outro lado, foram os que apresentaram o maior ganho em cada um dos domínios avaliados pelo QAS.
doi:10.1590/s2179-83972011000100012 fatcat:qsjeiqew3fafvlbdumrcc4nuvu