Anormais na obra fotográfica de Diane Arbus

Daniela Szwertszarf
2012 Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas  
Resumo Este artigo investiga a relação entre a iconografia teratológica e a fotografia artística através da análise da obra fotográfica de Diane Arbus (1923-1971. Seu olhar inovador aborda questões relevantes sobre os novos sentidos do anormal. Nos anos 60, a redefinição dos conceitos de norma e desvio faz o monstro passar da ordem do outro para a ordem do idêntico. As produções teóricas de Michel Foucault, Jean-Jacques Courtine, Erving Goffman e Ieda Tucherman oferecem as ferramentas
more » ... rramentas necessárias para a discussão sobre a obra de Diane Arbus na sua relação com o universo teratológico. Palavras-chave: Fotografia. Monstros. Anormais. Contracultura. Diane Arbus. Abstract This article studies the relation between teratological iconography and artistic photography through an analysis of Diane Arbus' photographic work. Her innovative gaze raises relevant questions about the new meanings of the abnormal. In the 60s, the redefinition of norm and deviance concepts turns the monster from the realm of the other to the realm of the identical. Theoretical works of Michel Foucault, Jean-Jacques Courtine, Erving Goffman and Ieda Tucherman offer necessary tools to the discussion of Diane Arbus' work in relation to the teratological universe. Neste artigo, procuraremos relacionar o olhar específico de Diane Arbus com o olhar geral dos anos 60 sobre os anormais. No século XIX, as feiras de exibição das monstruosidades viveram o seu apogeu, celebrando o olhar cruel sobre o corpo diferente. Do século XIX até a metade do século XX, o monstro passa da alteridade radical para a ordem do idêntico. O termo freak se populariza, nos anos 60, ganhando variações de sentido que refletem mudanças históricas na percepção
doi:10.5007/1984-8951.2012v13n103p32 fatcat:uhrc75juwbbdxgbp6qgat5df44