Contra a arte das obras de arte

Iracema Macedo
unpublished
O título desse texto é tomado de empréstimo ou, no bom senti-do, roubado do título do aforismo 174, do livro Opiniões e sentenças diversas, publicado pela primeira vez em 1879 e reeditado em 1886, como parte do segundo volume do Humano, demasiado humano. Todo o desenvolvimento de idéias que será feito nesse artigo se articula com as concepções artísticas do período 1878-1879. E é, nesse sentido, que perguntamos o que seria a noção nietzscheana de uma arte que não é necessariamente obra de arte.
more » ... A expressão "contra a arte das obras de arte" será abordada por mim em dois sentidos. Em um primeiro momento, a partir da crítica incisiva que Nietzsche passa a fazer aos poetas e à própria arte, quase com uma tonalidade que é muito parecida com a crítica de Platão apresentada em alguns trechos de A Re-pública e em um pequeno trecho do diálogo A defesa de Sócrates. A proximidade entre Nietzsche e Platão que, infelizmente, não é muito habitualmente investigada pelos amigos de Nietzsche, é então um ponto que eu gostaria de trazer à baila de forma convidativa e sedutora, pois acredito que é um excelente mote para um debate fértil e instigante. O outro ponto mais forte dessa comunicação seria então a ideia de que, se Nietzsche está estrategicamente argumentando de várias maneiras, nesse período de seu pensamento, contra a arte, ele não está necessariamente caindo numa moldura cienti-fi cista ou até positivista como alguns comentadores registram. Um conceito de arte permanece vivo para ele e tratarei então de
fatcat:ezpyts3pyvdl5jj5yv3e4tile4