Avaliação isocinética, dor e funcionalidade de sujeitos com síndrome da dor patelofemoral

Lisiane Piazza, Marlon Francys Vidmar, Luiz Fernando Bortoluzzi de Oliveira, Gilnei Lopes Pimentel, Thiele de Cássia Libardoni, Gilmar Moraes Santos
2013 Fisioterapia e Pesquisa  
Este estudo visou determinar a influência da Síndrome da Dor Patelofemoral (SDPF) sobre o pico de torque e trabalho da musculatura flexora e extensora do joelho, além de avaliar a dor e funcionalidade de sujeitos com a disfunção. Participaram 52 sujeitos do gênero feminino, 23 com SDPF e 29 clinicamente saudáveis similares em idade, estatura e massa corporal. A avaliação isocinética foi realizada no modo concêntrico para os flexores e extensores do joelho nas velocidades de 60 e 180°/s. Também
more » ... 0 e 180°/s. Também foi aplicada a Escala Visual Numérica antes e após cada velocidade do teste isocinético e o questionário de Kujala. Os dados foram analisados pela estatística descritiva e inferencial (testes U de Mann-Whitney, Wilcoxon e t independente) com nível de significância de α=0,05. O Grupo com Síndrome da Dor Patelofemoral (GSDPF) apresentou menor pontuação (p=0,01) no questionário de Kujala (75,7±12,3 pontos) em relação ao Grupo Controle (GC) (100±0,0 pontos), além de menor pico de torque, tanto em 60 como 180°/s, dos flexores (0,82±0,24 Nm/kg; 0,51±0,22 Nm/kg) e extensores (1,85±0,48 Nm/kg; 1,13±0,44 Nm/kg) do joelho, bem como menor trabalho total dos extensores do joelho a 180°/s (6,46±2,54 J/kg) e 60°/s (9,42±3,27 J/kg). Além disso, foi observado aumento da dor do GSDPF após a avaliação isocinética a 180°/s (0,9 cm) e 60°/s (2,3 cm). Os resultados evidenciaram que sujeitos com SDPF possuem menor capacidade funcional e menor pico de torque e trabalho dos flexores e extensores do joelho, sugerindo que o fortalecimento desta musculatura deve ser considerado na reabilitação destes sujeitos.
doi:10.1590/s1809-29502013000200006 fatcat:efjowbdxznb7heksow26y7ypom