USE OF ANIMALS IN TEACHING VETERINARY MEDICINE: SUBSTITUTIVE METHODS
USO DE ANIMAIS NO ENSINO DA MEDICINA VETERINÁRIA: MÉTODOS SUBSTITUTIVOS

Fernanda Tereza de Lima, Regiane Marques Sturn, Andrea Roberto Bueno Ribeiro
2018 Nucleus  
RESUMO: A utilização de animais vivos como recurso didático tem sido discutida e questionada sob muitas perspectivas. Essa prática é defendida por docentes que acreditam na construção de conceitos por meio da manipulação dos animais, porém é questionada por outros educadores e profissionais, por meio de argumentações de ordem ética, técnica e psicológica, não havendo assim um consenso. Apesar da existência de alternativas, alguns procedimentos cirúrgicos em animais são considerados por alguns
more » ... senciais para a formação do profissional por proporcionarem ao estudante desenvolvimento da habilidade cirúrgica e treinamento emocional. Por outro lado, evidencia-se que o uso abundante e desnecessário em diversas situações torna-se alvo de críticas e questionamentos, por poder indicar aos alunos que animais são itens descartáveis, como qualquer material didático, desencadeando um processo de "dessensibilização" dos estudantes quanto ao sofrimento dos animais. Todavia, para que estes deixem de ser utilizados, torna-se necessária a identificação de recursos substitutivos realmente funcionais, que propiciem aprendizado eficiente e satisfatório. Ainda não está claro, quais as dificuldades encontradas para a supressão definitiva dessas práticas e quanto isso pode influenciar a formação dos alunos de medicina veterinária. Assim, observou-se que mais informações e discussões sobre o tema são fundamentais para fomentar uma visão crítica sobre esse assunto. A adoção de métodos substitutivos ao uso de animais é uma prática ética, legal e de respeito e cuidado para com a vida, sendo assim uma tendência que se mostra importante para que ocorra a reestruturação das práticas de ensino. Palavras-chave: Animais vivos. Aulas práticas. Ensino superior. Métodos humanitários. Recursos didáticos. SUMMARY: The use of live animals as a teaching resource has been discussed and questioned on many perspectives. This practice is defended by teachers who believe in building concepts through manipulation of animals, but is questioned by other educators and professionals through ethical, technical and psychological arguments, so a consensus hasn´t been reached. Despite the existence of alternatives, some surgical procedures on living animals are considered by some, essential to the academic formation of professionals because they provide the student with development of surgical skill and emotional training. On the other hand, it is evident that the abundant and unnecessary use in various situations becomes the target of criticism and questioning, because it´s indicating to the students that animals are disposable items, like any educational material, triggering a process of "desensitization" of students about the suffering of animals. However, to stop the use of animals, it is necessary the identification of really functional substitute resources that provide efficient and satisfactory learning. It is still unclear what would be the difficulties encountered in the lifting of these practices and how this may influence the training of students of veterinary medicine. Information and discussion on the subject are essential to foster a critical view on this subject. The adoption of replacement methods to animal use is an ethical, legal and respectable practice, that cares for life, thus a trend that proves be important for the occurrence of restructuring teaching practices.
doi:10.3738/1982.2278.2934 fatcat:k3qd2d7cvzfdxlk7yrbh3wb3om