Diversidade, diferença e currículo de matemática: relações entre macropolíticas e o tempo dos atores na escola [thesis]

Andréia Lunkes Conrado
Passaram-se seis anos desde que mobilizei minhas primeiras ações em direção ao caminho que agora se encerra com a publicação desta tese. De lá para cá a vida trouxe o inesperado, as incertezas e as adaptações. Trouxe também a beleza dos encontros com uma rede imensa de pessoas, as quais agradeço pelas parecerias, afetos, esperanças e alegrias compartilhadas. À Maria do Carmo, nossa florzinha, que foi ali dar um passeio e volta já. A você devo agradecer o que eu me tornei como pessoa, como
more » ... pessoa, como profissional da educação e como ser humano. As minhas memórias estão vivas e a sua presença está em mim. Ao Vinício, por me acolher neste momento tão difícil e ter me trazido de volta a motivação para este estudo. Com você tudo se ressignificou e esta tese é uma conquista nossa. Ao Cieja Paulo Emílio Vanzolini, em especial, à Adélia, Rosana, Daniela, Denise, Michel, Diego, Regina, Carina e Lúcia e aos alunos e alunas que deram brilho a esta tese Romilda, Maya, Arlete, Vani, S. Francisco e Quenel. Agradeço também aos demais professores e professoras, funcionários e funcionárias. A todos o meu muito obrigada por todo o acolhimento e por terem compartilhado comigo tantos saberes. Esta tese jamais seria possível sem vocês. Aos meus companheiros do Grupo de Estudos e Pesquisa em Etnomatemática (GEPEm) e do Grupo de Estudos em Educação Matemática e Educação (GEPEME), agradeço as interlocuções, provocações e proposições. Que esta tese possa contribuir com nossas ideias e ideais. Devo agradecimentos especiais ao Professor Ubiratan, Cristiane Coppe, Vanísio, Keli, Kleber, Cláudio, Rodrigo, Liu, Val, Flávia, Marília, Ana Paula e tantos outros que de mais perto ou longe compõem este nosso núcleo expandido de resistências e afetos etnomatemáticos. Incluo os colegas de Rio Claro, especialmente Diego, Jorge e Roger. Ao núcleo colombiano Carolina, Jorge, Ana, Aldo, Camilo, Hilbert e Armando, fonte de inspiração e ação, agradeço cada momento desta temporada na realização do 6to Congreso Internacional de Etnomatemáticas ICEm-6. A minha querida amiga Denise Villela, nossa parceria é longa e eu agradeço todas as aprendizagens e descobertas que você tem me proporcionado. Aos colegas da pós-graduação, com quem compatilhei as aventuras acadêmicas, Carla Alves, Valkíria, Elivelton, Alessandro, Eduardo, Carla Pompeu, Sueli, Humberto e Daniel foi muito bom ter compartilhado este caminho ao lado de vocês. Meu agradecimento mais que especial, à Lia e ao Júlio, por tudo o que construímos juntos nas trocas acadêmicas e na amizade. Ao Zaqueu, por tantos projetos e realizações, pelas nossas lutas e por sua presença tão genuína e autêntica nesta universidade, tenho muito a agradecer a você. Aos professores e professoras que aceitaram a condição de estar comigo na avaliação deste trabalho, Vinício, Diogo, Roseli, Denise, Carla, Cristiane e Wagner e, de modo especial, Elenilton, Alexandrina e Valéria, que estiveram comigo desde a qualificação, agradeço cada contribuição para o resultado desta tese. Ao programa de pós da FE/USP, às professoras com quem estive neste percurso acadêmico, Roseli Fischmann, Flávia Schilling, Elba Barreto, Adriana Bauer, Cláudia Galian e Ermelinda Pataca. Aos funcionários da secretaria, em especial Marcelo e Bruna, pelo cuidado nas fases mais delicadas desta jornada. A todos os amigos, amigas, companheiros e companheiras da e nossa querida Marilse, por cada reencontro e cada movimento que fizemos juntos. Vocês fortalecem as ideias, concretizam ações e alimentam a alma. Estar com vocês é sempre certeza de aprendizados. Aos colegas e amigos do Gracinha, agradeço e me orgulho por trabalhar com cada um de vocês e por tudo o que realizamos juntos nessa temporada. Meu agradecimento especial à Andréa, Maria Paula, Meg, Regina, Lígia, Fátima, Wagner, e a toda equipe de matemática, muito obrigada pelas negociações de tempo para que eu pudesse concluir este trabalho, que carrega muito de nossas reflexões e desafios cotidianos. Ao meu filho Vicente, que neste ano completa sua primeira década de vida, agradeço ter compartilhado comigo as belezuras da infância, do tempo solto, do tempo leve, da curiosidade e das descobertas. Você é a melhor inspiração e a maior força propulsora desta tese, que bem lhe ensinou a negociar e reivindicar sua justa luta por mais tempo com a mamãe. Agradeço ter me permitido aprender a importância de manter a vida em equilíbrio para criar e aproveitar cada momento junto. Aos meus pais, Domingos e Paula, meus maiores incentivadores e a melhor fonte de amparo a esta pesquisa. Sem vocês esta tese não existiria, nem eu mesma estaria aqui. A vocês agradeço profundamente a vida, a serenidade, o carinho e cada momento de dedicação, disponibilidade e torcida para que tudo corresse bem até aqui. Aos meus irmãos, Claudinha e Paulinho, com quem compartilho a vida, agradeço terem multiplicado essa nossa força e união trazendo consigo Lilian, Lú, Alice, Elisa e Pietra. A cada um e cada uma de vocês agradeço estarem junto comigo nesta jornada. Ao Alex, que chegou pleno de leveza, sensibilidade e amor, agradeço a presença, a paciência e o cuidado cotidiano. Você trouxe as melhores pausas para essa agitação produtiva paulistana, e com elas temos vivido tempos de parceria, paixão e beleza. Vamos em frente, com a sorte deste nosso amor tranquilo. Ao meu quinteto favorito, Marta, Cláudia, Luciane, Bárbara e Kika, pelo poder feminino que emana de cada uma de nós e de todas nós. Vocês foram fundamentais nesse percurso e a presença de vocês me inspira e me fortalece. Muito obrigada por estarem comigo sempre. À Madalena, pela nossa longa história de encontro e pelo cotidiano paciente e afetivo. Eu não tenho como lhe agradecer. Às comadres, compadres, amigos e amigas que fazem do dia a dia e do cuidado com as nossas crianças momentos de plena alegria, Gobbi, Bellio, Gabriel e Gustavo, obrigada por ter vocês comigo nesta missão. A cada um e cada uma, minha mais sincera gratidão. RESUMO CONRADO, A. L. Diversidade, Diferença e Currículo de Matemática: relações entre macropolíticas e o tempo dos atores na escola. 2019. 190 fl. Tese (Doutorado em Educação) -Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2019. Esta investigação tem como objetivo compreender o tempo e a ação dos atores na escola em relação ao tratamento das diferenças culturais no contexto da prática e suas relações com as políticas curriculares oficiais com foco na diversidade. As chamadas "políticas da diversidade", produzidas entre 2004 e 2014, abarcaram uma série de agendas relativas às questões da educação especial, relações étnico-raciais, educação de jovens e adultos, educação do campo, educação escolar indígena, educação escolar quilombola, gênero e sexualidade, educação de pessoas encarceradas e educação ambiental; e produziram efeitos para as políticas curriculares. A partir deste contexto, a pesquisa se desenvolve em dois movimentos. O primeiro, analisa os textos oficiais que sustentam estas políticas (diretrizes, leis e outros documentos) no campo curricular a fim de identificar o modo como tratam a questão da diversidade-diferença e suas implicações para o currículo de matemática. O segundo, descreve uma experiência de campo realizada no Centro Integrado de Educação Jovens e Adultos (Cieja) Paulo Emílio Vanzolini, pertencente à rede municipal de educação da cidade de São Paulo. A escola foi escolhida em razão do tratamento dado a diversidade em sua proposta curricular e a pesquisa de campo procurou identificar e analisar situações e ações relacionadas à diversidade no contexto escolar, em especial, na sala de aula de matemática. Os dados foram coletados por meio de uma metodologia de inspiração etnográfica, em situações vivenciadas nas aulas de matemática, em reuniões pedagógicas coletivas, em eventos promovidos pela escola, além da análise de documentos produzidos pela escola e de entrevistas realizadas com docentes, discentes e gestores. A pesquisa toma como referência teórica autores do campo da sociologia pragmática, das Teorias Curriculares e da Educação Matemática em sua vertente sociocultural. Palavras -chave: Currículo de Matemática, Diversidade, Diferença, Políticas Curriculares, Educação de Jovens e Adultos. ABSTRACT CONRADO, A. The place of diversity in the mathematics curriculum: relationships between macro-politics and actors' time in school. 190 fl. Tese (Doutorado em Educação) -Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2019. This research aims to understand the time and the action of the social actors in school as regard as the treatment of cultural differences in contexts of practice and official curriculum standards focusing on diversity. The so called "diversity policies", produced between 2004 and 2014, covered a range of agendas: ethnic-racial relations, adult education, rural education, indigenous education, quilombola education, gender and sexuality, education of people incarcerated and environmental education; and eventually produced effects for curricular policies. From this context, the research has developed in two movements. The first one analyzes the official texts that underpin these policies (curricular standards, legislation and other documents) in the curriculum field in order to identify how they deal with the issue of diversity and its implications for the mathematics curriculum. The second, describes a fieldwork held at to the public adult educational system of the city of São Paulo -Centro de Integração de Educação de Jovens e Adultos (Cieja) Paulo Emílio Vanzolini. That school was chosen because of the treatment given to diversity in its curricular proposal and the field research aimed to identify and analyze situations and actions related to diversity in the school context, especially in the mathematics classroom. The data were collected through an ethnographic inspiratated methodology in situations experienced in mathematics classes, in teachers' meetings, in events promoted by the school, in addition to the analysis of documents produced by the school and interviews with teachers, students and managers. This research takes as theoretical reference authors in the field of pragmatic sociology, curricular theories and mathematical education in its sociocultural aspect.
doi:10.11606/t.48.2020.tde-19112019-155241 fatcat:55vncs4c3fhtjheyqk64tg7kba