As funções discursivas da causalidade

Sumiko Nishitani IKEDA, Fátima Beatriz De Benedictis DELPHIN0
2013 Revista do GEL  
Muitas orações introduzidas por 'conjunção subordinativa causal não são realmente subordinadas adverbiais causais: a conjunção porque pode introduzir três tipos de leitura da relação causal, segundo Sweetser (1991) de conteúdo, epistêmico e de ato de fala. Por outro lado, a relação causa-efeito nem sempre é sinalizada por meios tradicionais, podendo mesmo ocorrer implicitamente, caso em que o ouvinte precisa deduzir a conexão através do contexto. Além disso, a construção causal envolve funções
more » ... iscursivas: dentro da perspectiva dialógica da linguagem, ela emerge em geral depois de relações retóricas de contraste e negação ou, mais genericamente, depois de proposições que vão contra as expectativas partilhadas, de acordo com Ford (2000). Esta pesquisa busca caracterizar as escolhas léxico- gramaticais para a realização da relação causal, com base em Jordan (1998), bem como especificar as funções discursivas da causalidade no português, além das tradicionalmente conhecidas funções de explicação e de solução, estudadas no inglês por Ford (1994, 2000). A causalidade será enfocada na modalidade oral, em diálogos entre falantes da norma culta. A metodologia consiste na contagem das escolhas léxico-gramaticais para sua expressão, bem como de posterior classificação dessas realizações, tendo em conta sua função discursiva.
doaj:ddfd095284b64c119ec6d9b6841c8d2a fatcat:6q5eqnng4vfx7nlkglyha5c4gi