Codificação das diferenças: a invenção do homem latino

Margarida do Amaral Silva
2010 Revista Eletrônica História em Reflexão  
Abre-se espaço para o empreendimento de desconstruções de alguns discursos produzidos sobre aqueles dos quais sua voz sempre foi nula ou irracionalizada no tônus das teorias vigentes sobre grupos subalternos, sejam os codificados pela raça, pelo gênero ou pela posição social. Neste estudo, permite-se o uso da subalternidade racial como perspectiva porque se visa uma revisão parcial de colocações já assentadas a fim de se ampliar a visão da própria idéia de subalternidade, de colônias modernas,
more » ... colônias modernas, da racialização e do sujeito do conhecimento. Cabe destacar que, agora pela perspectiva do colonizado, o homem latino racializado e de subalternidade vigente, em uma América de capitalismo colonial/moderno e eurocentrado desloca-se para nova posição ao adotar uma relação com a produção de discursos sobre si próprio. E este ato interfere em aspectos de legitimidade e legalidade inclusive dos materiais reconhecidos como historia oficial das sociedades. Fazem postos outros debates não-emancipatórios, mas abertos à tomada de consciência sobre as contingências impostas pela modernidade, ao homem de colônia forjado em campos de naturalização fenotípica por emblemas como superioridade e inferioridade. Dados estes que outrora se colocavam invisíveis e, por isso, inexistentes nos campos de debate, tendem agora a serem tomados por outra perspectiva, que pode ser articulada a partir da voz dos subalternos.
doaj:84c34a64e583464385a22a3725ef976e fatcat:p5ikdraw7zdl5ea2isqyfnosym