A definição de alegoria segundo os gramáticos e rétores gregos e latinos

Marcos Martinho
2008 Classica, Revista Brasileira de Estudos Clássicos  
A navegação consulta e descarregamento dos títulos inseridos nas Bibliotecas Digitais UC Digitalis, UC Pombalina e UC Impactum, pressupõem a aceitação plena e sem reservas dos Termos e Condições de Uso destas Bibliotecas Digitais, disponíveis em https://digitalis.uc.pt/pt-pt/termos. Conforme exposto nos referidos Termos e Condições de Uso, o descarregamento de títulos de acesso restrito requer uma licença válida de autorização devendo o utilizador aceder ao(s) documento(s) a partir de um
more » ... partir de um endereço de IP da instituição detentora da supramencionada licença. Ao utilizador é apenas permitido o descarregamento para uso pessoal, pelo que o emprego do(s) título(s) descarregado(s) para outro fim, designadamente comercial, carece de autorização do respetivo autor ou editor da obra. Na medida em que todas as obras da UC Digitalis se encontram protegidas pelo Código do Direito de Autor e Direitos Conexos e demais legislação aplicável, toda a cópia, parcial ou total, deste documento, nos casos em que é legalmente admitida, deverá conter ou fazer-se acompanhar por este aviso. A definição de alegoria segundo os gramáticos e rétores gregos e latinos Autor(es): Martinho, Marcos Publicado por: Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos URL persistente: URI:http://hdl.handle.net/10316.2/35760 A definição de alegoria segundo os gramáticos e rétores gregos e latinos MARCOS MARTInHO Universidade de São Paulo Brasil RESUMO . A definição de alegoria que predomina nos gramáticos e rétores gregos e latinos é aquela segundo a qual alegoria diz uma coisa e entende outra. Assim, investigo, em primeiro lugar, os gramáticos e rétores que se detêm, por exemplo, a discernir o que se diz e o que se entende, ou a explicar como a alegoria opera ao nível da dicção, isto é, das palavras, e como opera ao nível da intelecção, isto é, dos casos. Já a descrição, rara nos gramáticos e rétores, segundo a qual alegoria transfere palavras do caso próprio para o outro caso, muito se aproxima à descrição de metáfora. Assim, investigo, em segundo lugar, os gramáticos e rétores que ensinam, por exemplo, em que a alegoria se distingue da metáfora. PALAvRAS-CHAvE . Alegoria; metáfora; enigma; tropo. Que é a alegoria e como se faz Segundo os gramáticos e rétores latinos A Retórica a Herênio define permutação como oração que demonstra uma coisa pelas palavras, outra pela sentença. 1 Ora, trata-se de saber, antes de tudo, que é aquilo que mostra com as palavras e que é aquilo que mostra com a sentença; mas a Retórica a Herênio não se pronuncia acerca disso. Quintiliano, ao rememorar a definição da Retórica a Herênio, diz tão-só que a alegoria ostenta uma coisa pelas palavras, outra pelo sentido, 2 de maneira que também ele não explica o que seja aquilo que se demonstra com as palavras, nem o que seja aquilo que se demonstra com o sentido. Cícero, porém, após dizer que, por meio daquilo que flui do gênero da translação, uma coisa se diz, outra é para entender, explica, de um lado, Email: marcos.martinho@usp.br Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. 1 Rhet. Her. 4.46: Permutatio est oratio aliud uerbis aliud sententia demonstrans. 2 QUInT. 8.6.44: aliud uerbis, aliud sensu ostendit. Classica (Brasil) 21.2, 252-264, 2008
doi:10.14195/2176-6436_21-2_6 fatcat:nlnl25buv5cm5o6sblufaxvla4