ADOAÇÃO FAZ A DIFERENÇA NO CUIDADO DE PAIS E CRIANÇAS PREMATURAS

Luz Angela O. Argote, Marlene Montes Valverde
2002 Família Saúde e Desenvolvimento  
O presente estudo pretendeu aprofundar-se no Cuidade de Enfermagem e na experiência de ser pais de crianças prematuras. A interação dos casais e as enfermeiras durante o período de hospitalização da criança, permitiu traçar o objetivo do trabalho: Qual é a percepção que os pais têm sobre o Cuidado de Enfermagem durante o processo de ter um filho prematuro? Com este propósito foi escolhido como referencial teórico metodológico o Interacinismo Simbólico e a Teoria Fundamentada nos Dados. O
more » ... cial escolhido permitiu identificar através de relatos verbais dos pais, obtidos através de entrevistas, quais foram os fatores mais significativos para eles, identificar como o Cuidado de Enfermagem influenciou nas experiências vividas pelo casal durante este período e propor linhas de Cuidado Humano que possam orientar o processo de assistir/cuidar de Enfermagem. Participaram nove casais, com filhos que haviam permanecido hospitalizados pelo menos por 96 horas e não apresentavam mal-formações congênitas. Os dados obtidos foram codificados, analisados e relacionados, obtendo-se as seguintes categorias: VIVENDO A GRAVIDEZ, TER UM FILHO PREMATURO,ADAPTANDO-SEAO FILHO COMO OBJETO DEAMOR E CUIDADO DE ENFERMAGEM. Da categorização, análise e interrelação entre as categorias, surgiu a Categoria Central: A DOAÇÃO FAZ A DIFERENÇA, a qual possibilita compreender que os pais desejam que no cuidado com a criança prematura, a enfermeira se envolva com ele, quer dizer, que "esteja com ele" invés de "trabalhando nele", ou seja, "se doe" para ele. Para os pais, no Cuidado de Enfermagem, a doação é que faz a diferença.
doi:10.5380/fsd.v4i1.5062 fatcat:iiqm2tbmsncyxd75erpj47e4ze