DELEUZE E O ABLETON LIVE: A CRIAÇÃO-PERFORMANCE PELA IMPROVISAÇÃO EM UM SOFTWARE PARA MÚSICOS DIGITAIS

Alexei Michailowsky
unpublished
Resumo Para o musicólogo britânico Andrew Hugill, a emergência e o desenvolvimento de tecnologias eletrônicas e digitais aplicadas à música favoreceram o surgimento de uma nova categoria de músicos, os músicos digitais, situada no vácuo entre as tradições popular e de concerto, sem vínculos estritos com alguma delas mas com trânsito entre ambas, e buscando constantemente formas de diálogo. Dentre as ferramentas mais importantes utilizadas atualmente pelos músicos digitais, destaca-se o software
more » ... alemão Ableton Live, cuja proposta fundamental é a de apresentar uma plataforma aberta e convergente sobre a qual sistemas metafóricos diversos, situados basicamente entre o músico instrumentista e o DJ-cuja expressão musical se constrói a partir da reprodução de peças ou trechos musicais pré-gravados-, podem ser projetados, montados e manipulados pelo usuário para geração e processamento de sons. A partir dessas metáforas, a composição pode ocorrer no próprio ato da performance. Esta, por sua vez, se funda na articulação e combinação de materiais musicais pela improvisação, e se orienta não necessariamente pela leitura de um texto codificado, mas por uma "super-escuta" situada entre os conceitos de entendre e comprendre formulados por Pierre Schaeffer (1910-1995). Diante de um quadro no qual a composição musical surge norteada por uma ampla noção de liberdade e a relação entre as figuras do compositor e do intérprete apresenta características bastante singulares, este trabalho procura associar a criação-performance musical improvisada através do Live com alguns conceitos lançados pelo filósofo francês Gilles Deleuze (1925-1995), e propor uma perspectiva diferente de abordagem relativa às práticas musicais de composição, execução e improvisação. Palavras-chave: músicos digitais; softwares de criação e execução musical; Ableton Live; improvisação musical; composição musical; Gilles Deleuze. 1. Introdução A emergência e o desenvolvimento das tecnologias eletrônicas e digitais aplicadas à música colocaram a tradicional classificação entre "música de concerto" e "música popular" em xeque. Andrew Hugill (2007: 164-5) entende que a disponibilização das ferramentas de criação e execução musical e de processamento de áudio-além de todo o conhecimento e técnica necessários à sua manipulação-em um mercado de massa a custos relativamente baixos colocou todos os tipos de 423
fatcat:jlhi3br6trghlllf2rcegbtada