O pathos na música do tardo-renascimento: Nachleben der Antike e construção de memória

Maya Suemi Lemos
2016 Revista Música  
Há pouco mais de um século a historiografia da arte, sobretudo de matriz germânica, parece ter reorientado sua leitura do Renascimento italiano, se debruçando sobre os componentes anticlássicos visíveis na produção não apenas quinhentista, mas também quatrocentista. A partir da perspectiva do historiador Aby Warburg sobre o pathos na arte italiana do Renascimento, fazemos um paralelo com aspectos de determinadas vertentes da música tardo-renascentista. Buscamos atentar para as similitudes e
more » ... s similitudes e diferenças no processo de sobrevivência ou memória da Antiguidade nos dois respectivos campos da expressão, levantando uma hipótese de leitura de determinados traços da música da vanguarda florentina deste período.
doi:10.11606/rm.v16i1.125007 fatcat:uiuolm3l7bccri2kdceffcnqaq