Participação social, saúde e radiocomunicação comunitária: uma discussão sobre limites e possibilidades de ampliação das bases socias da Reforma Sanitária Brasileira [thesis]

Hugo Fanton Ribeiro da Silva
Agradecimentos Este trabalho expressa de forma sistematizada e adequada a normas acadêmicas o resultado de um caminhar compartilhado entre muitas pessoas que, com contribuições e de modos distintos, mas igualmente importantes, o tornaram possível. Por isso, em primeiro lugar, agradeço às pessoas que vivem em Heliópolis, pelo acolhimento, paciência e compartilhar de saberes que perpassam a redação do texto e meu sentir o mundo. Agradeço ao professor Ivan França Junior, orientador e amigo, que
more » ... dor e amigo, que além das contribuições estritamente acadêmicas, por participar ativamente do meu processo formativo, acompanhou de perto todo o desenrolar da pesquisa, me ajudou a superar angústias, construir conceitos e, fundamentalmente, a seguir meus sonhos, muitas vezes compartilhados e vividos juntos. Agradeço às professoras Sonia Fleury e Evelina Dagnino, por participarem diretamente do processo avaliativo e inspirarem muitas das reflexões aqui presentes. Pelo trabalho acadêmico e político que desenvolvem me motivam um caminhar e ensinam um olhar crítico e esperançoso para a realidade. Também agradeço à professora Marcia Thereza Couto Falcão, pelas contribuições no exame de qualificação, que me permitiram delinear melhor questões de pesquisa e opções metodológicas. Agradeço ao professor Paulo Rogério Gallo, por me apresentar o campo da saúde, tornar possível o início deste trabalho e compartilhar conhecimentos também aqui presentes. Agradeço à professora Maria da Penha Vasconcellos, por acompanhar minha trajetória desde o início, participar ativamente do meu processo formativo e ainda me apoiar nos momentos mais delicados de minha vivência na Faculdade de Saúde Pública. Agradeço aos funcionários e às funcionárias da Faculdade de Saúde Pública, em especial ao Leandro Cleto, pois fazem parte da produção acadêmica ao conduzir um trabalho árduo e muitas vezes não devidamente valorizado pela Universidade. Agradeço à Lia Segre, por me acompanhar em visitas a Heliópolis, ajudar com registro de imagens, problematizar muitas das reflexões aqui presentes e me incentivar nos momentos de angústia e dificuldades. Agradeço aos amigos e amigas, companheiros e companheiras que fazem parte da minha vida, do meu dia-a-dia, e tornam meu viver feliz e com esperanças muitas. Para 6 não cometer injustiças, arrisco nomear apenas uma dessas pessoas, Marcia Fernandes, que acompanhou de perto os últimos momentos de redação e ainda contribuiu diretamente com a finalização do texto. Agradeço de maneira especial a Keila Britto, Grasiela Fretta, Nayara Côrtes Rocha, Daniela Silva Canella, Julliana Luiz Rodrigues e Janaína Calu, que me acompanharam durante todo o mestrado e tornaram minha vida na Faculdade de Saúde Pública muito mais agradável. Agradeço também à gente querida da ABONG e da Ação Educativa, locais em que trabalho e aprendo a caminhar. São pessoas que contribuíram desde o início com o desenvolver desta pesquisa, por conversas, sugestões, discordâncias e debates acalorados, num construir coletivo do olhar e agir no mundo. Agradeço à Cibele Viana e sua família por terem feito parte da minha vida de uma maneira muito especial. Seguem presentes no meu jeito de ser e também neste texto que apresento, pois com elas compartilhei muitas das reflexões e sentimentos que perpassam cada linha deste trabalho. E por fim agradeço ao meu pai, à minha mãe, ao meu irmão, minha cunhada e toda minha família, por com amor e carinho compartilharem saberes e sentimentos, do meu lado ajudando a construir sonhos num caminhar que é de muita esperança e luta. 7 -Nós não precisamos de muita coisa. Só precisamos uns dos outros‖ Abstract This study aimed to analyze the limits and possibilities of social participation in health by non-institutionalized spheres, from some of the limits imposed by the institutions and the set of social practices, techniques and systemic health. This discussion focuses on Community Radio as a sphere of emergency of conflicts and issues that permeate the reality and its social relations, in order to contribute to social participation in health. Accordingly, we chose to carry out a case study in Heliópolis, São Paulo, SP, by a view on the area in its diversity of spheres and experiences, and also on the conflicts which are related to the social relations of that sphere constitutive. From the -signifying practices‖ related to material and symbolic production of Heliopolis, by working between social practices and individual trajectories, and between those and the global context, it made possible a theoretical formulation for the purpose of research. The popular organization in Heliopolis was built in resistance to the political-economic domination and the one exercised by the State, constructed from social bonds of solidarity in processes of constitution of political subjects, which resulted in the formation of a residents committee. With the gradual transformation of the relationship between the State and that social body, the committee became an association, making no more direct engagement by occupations and demonstrations nowadays. It starts acting by projects fundable by the state or by private enterprise. Today part of the social needs, the fundable ones, are taken by all, and the economic and social determinations that are consequences of the classes division prevent to gain centrality in the social actions the class-conflict. The Community Radio, however, has legitimacy and historicity distinct from those of fundable projects, and from this results different forms of social action. The sphere is for work and leisure, for cultural production and dissemination and also for constitution of political subjects, because on it takes the formation of collective actions in resistance to political, economic and social determinations. From the specificity of the relationship between form and content on the cultural production and expression follows the differentiated emergence of social needs, so that the radio enables the expression, articulation and mobilization of subjects in different political actions from the one that occurs in institutionalized spheres. The action by a Community Radio also makes possible the historical building of social needs in their relationship to health. The Community Radio has an organizational function of the demands that allows subjects to conduct the satisfaction of social needs by claiming against the government and the health system. The System action in the radio is characterized by the generation of demands in which answers are previously defined by the System. However, a Community Radio is a sphere that assists the construction of instituting processes, which are in Heliópolis expressed by the struggle against privatization of health in São Paulo and the organized system, providing political articulation of subjects, such as the organization of garbage collect.
doi:10.11606/d.6.2011.tde-06092011-120255 fatcat:7hpd4n65q5hrtjlcjv2yqieih4