O eclipse do liberalismo

João Arruda
1927 Revista da Faculdade de Direito de São Paulo  
Acabo de ler o opusculo "La Liberta" do autor da conhecida obra "L'Europa senza Pace" T e m o livrinho menos de cem paginas, e é todavia verdadeiramente notável. Não é minha intenção dar u m a summula do trabalho, ou u m a rápida noticia do seu conteúdo, mas mostrar o que ha nelle de applicavel ao nosso Brasil. O argumento versado é: porque teve a idéa liberal seu crespusculo após a guerra mundial? Explica o mestre o estado de espirito da humanidade culta, ao tempo e m que foi iniciada a
more » ... i iniciada a tremenda lucta que abalou a civilização e m seus alicerces: " 0 livro de Stuart Mill (1) formou, por duas gerações, antes da guerra, a consciência liberal. Nós o considerávamos não somente como sendo u m monumento de sabedoria ingleza, mas também como formando u m documento do espirito practico da Gran Bretanha" N o Brasil, não se passaram as coisas do mesmo modo. Direi, e m synthese, o que, na minha avançada edade, sei de sciencia própria. E m minha infância ouvia dos antigos, dos nascidos com a independência da pátria brasileira, uma, e muitas vezes, por dia: "Não estamos mais no tempo do despotismo, já se acabou a tyrannia " Esses patriotas, já velhinhos e m 1871, viram então culminar o liberalismo no firmamento do império do cruzeiro, como se compraziam e m dizer e m sua linguagem figurada. Nessa épocha, quando Nitti conhecia três grandes impérios no mundo culto (Brasil, China e Rússia), como recorda á pag. 35, não sahiam á rua os portuguezes ricos no dia 7 de Abril, temendo alguma pirraça dos pés de cabra (ceoulos), lembrados do despotismo lusitano: cada classe manifestava, a seu modo, o amor que tinha á liber-(1) A Liberdade.
doi:10.11606/issn.2318-8227.v23i0p317-327 fatcat:sn5txvpgtzhrhohhc4zkupixiy