CASO CLÍNICO-EXPERIÊNCIAS NA COMUNIDADE-CLÍNICA, CIRURGIA E TERAPÊUTICA CLINICAL EXPERIENCE CASE IN THE COMMUNITY-CLINICAL, SURGERY AND THERAPEUTIC Resumos (on-line) Hansenologia Internationalis COMPLICAÇÕES DO USO CRÔNICO DE CORTICÓIDE NO TRATAMENTO DA REAÇÃO HANSÊNICA TIPO II. IDPRDA-Dermatologia Sanitária/SCMRJ (1-3-4-5-6-7) , Instituto

Alanna Santoro, Bruna Sabatovich, Villarejo Iosifovich, Bruno Messias, Pires Freitas, Laila Pedrinha, Mocarzel, Lina Hernandez, José Augusto Da Costa, Nery, Oswaldo Cruz -Fiocruz
unpublished
Introdução: A reação hansênica tipo II é uma exacerbação da imunidade humoral e pode manifestar-se como eritema nodoso hansênico, eritema polimorfo e eritema nodoso necrotizante. A OMS recomenda o uso de corticóides no tratamento da reação hansênica associado ao uso da Talidomida para o tratamento do eritema nodoso, exceto em mulheres em idade fértil. O esquema preconizado é Prednisona 0,5 a 1 mg/kg/dia até a melhora clínica, mantendo a dose inicial por 15 a 30 dias quando deve ser iniciada a
more » ... ve ser iniciada a retirada gradual da medicação. O tempo total de uso deve ser em média de 3 a 5 meses. Objetivos: Dar enfoque as complicações do uso crônico de corticóides em pacientes com reação hansênica. Materiais e Métodos: Relato de caso. Resultados: D. A. A, masculino, 48 anos, com antecedente de hanseníase multibacilar tratada com PQT durante 16 meses, apresentou eritema nodoso hansênico, tratado com prednisona 40mg/dia associado à talidomida 5mg/dia por 5 anos. Paciente hipertenso, em uso de hidroclorotiazida e atenolol. Relata aparecimento há 8 meses de placa eritemato-verrucosa, com pontilhado enegrecido, de bordos bem delimitadas, contorno bem definido com halo eritematoso e sinais flogísticos, medindo cerca de 4 a 6 cm em face posterior da perna direita; e aparecimento de placas eritemato-descamativas levemente pruriginosas, arredondadas, localizadas no tórax, abdome, dorso, couro cabeludo, região occipital, cotovelos e joelhos. Observa-se fáscies cushingóide e escleras ictéricas. Diante da história clínica e do exame dermatológico, a hipótese diagnóstica da lesão isolada foi de tuberculose cutânea, sendo realizada biópsia e de psoríase para as lesões disseminadas. Conclusões: O uso crônico de corticóides acarreta diversos efeitos colaterais, como o aumento da pressão arterial, cushing induzido, aumento da gordura intra-abdominal, supressão das respostas inflamatórias e imunossupressão que favorece a ocorrência de infecções como a tuberculose cutânea, doença caracterizada por lesão papulotuberosa de aspecto verrucoso ou crostoso, seco, com halo inflamatório, progredindo com necrose central. O uso de corticóide deve ser feito com cautela, pensando nos efeitos adversos. O diagnóstico precoce e o manejo terapêutico adequado dos eventos reacionais são desafios atuais. Palavras-Chaves: reação hansênica; uso crônico de corticóide; PLEC.
fatcat:a7v7qi46kjgd5h2cntotccrpta