Composição química e digestibilidade da matéria seca do bagaço de cana-de-açúcar tratado com óxido de cálcio

G.G.P. Carvalho, J. Cavali, F.E.P. Fernandes, L.O. Rosa, C.S. Olivindo, M.O. Porto, A.J.V. Pires, R. Garcia
2009 Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia  
Avaliaram-se a composição química e a digestibilidade in vitro da matéria seca (DIVMS) do bagaço de cana-de-açúcar hidrolisado com óxido de cálcio em dois períodos. As doses de óxido de cálcio aplicadas ao bagaço foram 0; 1,25; 2,5 e 3,75% (na base da MS) e os períodos de tratamento, 12 e 36 horas. O teor de matéria seca (MS) do bagaço de cana foi maior quando hidrolisado por 36 horas. O valor médio da proteína bruta foi de 2,4% e não foi influenciado pelo período, pela dose de óxido de cálcio
more » ... em pela interação período × dose de óxido de cálcio. Os teores de fibra em detergente neutro, fibra em detergente ácido, celulose e lignina diminuíram linearmente com a adição de óxido de cálcio. A digestibilidade in vitro da matéria seca, no entanto, aumentou 1,2% a cada unidade de óxido de cálcio adicionada ao bagaço da cana-de-açúcar. O tratamento com óxido de cálcio por 12 ou 36 horas melhora o valor nutritivo do bagaço de cana-de-açúcar.
doi:10.1590/s0102-09352009000600014 fatcat:4sujs26z4bgpnepoe5h5b2zdfy