Aspectos técnicos da psicoterapia de grupo

Bernardo Blay Neto
1959 Arquivos de Neuro-Psiquiatria  
São estudados os mecanismos psíquicos que se desenvolvem em agrupamentos humanos e a sua utilização para fins terapêuticos, sendo focalizado o fenômeno da interação como o dinamismo básico dessas reações. O autor compara a forma pela qual encara o grupo com as idéias de Bion, Moreno e Sullivan, encarando a hipótese de que os sentimentos de amor e hostilidade se manifestem em função do bom ou do mau funcionamento dos contactos primários que caracterizam a dependência. O autor comenta resultados
more » ... comenta resultados que obteve usando o psicodrama, mediante o qual estudou reações emocionais de inveja, ódio, agressividade e amor. O autor analisa as técnicas de Slavson e Pratt baseando-se nos dinamismos inerentes ao grupo e refere os estudos de Beukemkamp para a compreensão do fenômeno transferenciai que, no grupo, tem características próprias. As diferenças entre a terapia de grupo e a individual são apontadas, sendo a contra-transferência considerada como elemento construtivo. Pensa o autor que o aspecto dramático vivenciado pelo grupo ou por um dos seus componentes tem alto valor, pois engloba a verbalização, os componentes emocionais e os componentes posturais. O tono emocional vivenciado pelo grupo é mais intenso e opressivo que o que é despertado na terapêutica individual, o que é explicável pela somação de efeitos provocada pela reação circular. Segundo o autor, a Psicoterapia de Grupo e a Psicoterapia Individual não se opõem, mas se completam.
doi:10.1590/s0004-282x1959000300004 fatcat:a3uyjp22xnc4deu2b3tsspugje