Editorial

Eduardo Marandola Jr.
2012 Geograficidade  
A revista que você visualiza agora é fruto de um trabalho coletivo dos membros do Grupo de Pesquisa Geografia Humanista Cultural (CNPq/UFF). Mais do que isso, é fruto de anos de discussões, trabalhos e reflexões pelo campo da percepção do meio ambiente, da literatura e da cidade por parte de um coletivo de geógrafos, arquitetos e urbanistas, psicólogos e outros profissionais que têm buscado uma orientação fenomenológica, humanista e culturalista na ciência. Geograficidade expressa o desejo de
more » ... ressa o desejo de construção de alternativas para o pensamento, priorizando aberturas epistemológicas que potencializem a reflexão crítica e humanista do mundo contemporâneo. Inspirado na seminal noção do geógrafo francês, Eric Dardel, o título instiga a busca pelas essências, pela experiência em seu sentido de existência, no âmago da relação Homem-Terra. Nos provoca a pensar a relação cultura-natureza e a cidade (nosso habitat contemporâneo), de uma maneira orgânica, abrindo-nos também os caminhos da arte. A revista, pensada para dar vazão às reflexões de um Grupo de Pesquisa, opera também como convite aos que compartilham direções e desejos. É um convite para indagações, ensaios e pesquisas, teóricas e empíricas, científicas e artísticas. As sessões tencionam oportunizar tais aberturas, na forma de ensaios e pesquisas (Artigos), notas de pesquisa, comentários, relato de eventos ou viagens de campo e resenhas de publicações recentes (Notas e resenhas) e manifestações de geografias criativas que expressem em versos, imagens, fotografias, pinturas, gravuras, contos ou ensaios, um pensar geográfico não douto (Experimentações). Neste primeiro número, Inverno de 2011, temos sete artigos, três resenhas e notas, e uma experimentação. Abrimos com a tradução de um texto do geógrafo sino-americano Yi-Fu Tuan, realizada por Werther Holzer: Espaço, tempo e lugar: um arcabouço humanista. Trata-se de um artigo publicado originalmente no final dos anos 1970, mas que é importante por colocar o tempo na discussão já clássica entre espaço e lugar realizada por Tuan. Três artigos abordam a relação geografia e literatura: Lurdes Bertol Rocha e seu O cacau na literatura regional do sul da Bahia: ícone de diferenças socioespaciais, explora as espacialidades da literatura regional, enquanto Tiago Vieira Cavalcanti busca um olhar geosófico na obra de Natércia Campos, no artigo A dimensão do habitar na obra A casa, de Natércia Campos: um olhar geosófico. Já Júlio Cesar Suzuki, em Espaço na crônica de Mário de Andrade: uma análise de O Turista Aprendiz, discute esta complexa obra entre o real e a ficção.
doi:10.22409/geograficidade2011.11.a12803 fatcat:pil5n7puk5bv7h3kxiheqkzkri