A Incontinência Urinária em idosos e fatores associados: uma revisão sistemática

Giselle Helena Monteiro de Jesus, Amanda Cristina Lobo de Melo, Cybelle Silva do Couto Coelho, Vanessa Costa Alves Galúcio
2020 Panorama brasileiro de tungstênio (w) entre os anos de 2008 e 2014  
Introdução: O envelhecimento humano traz inúmeros desafios para o cuidado decorrente de patologias crônicas existentes, incluindo a Incontinência Urinária (IU) atingindo principalmente mulheres idosas. No entanto a IU interfere diretamente na qualidade de vida de idosos no Brasil e em outros países. De acordo com a International Continence Society (ICS), a IU é caracterizada pela perda involuntária da urina que são chamados: incontinência urinária de urgência, de esforço e mista. Esta perda
more » ... sta. Esta perda também pode estar relacionada com a fraqueza do assoalho pélvico, com a contração involuntária da musculatura pélvica e até mesmo a perda da sensibilidade. Objetivo: Analisar, por meio de revisão sistemática da literatura, as causas da Incontinência Urinária em idosos, com a perspectiva de identificar os principais fatores de risco associados, bem como identificar possíveis processos de reversão do quadro. Materiais e métodos: Foi realizada uma revisão sistemática da literatura por meio de pesquisa de artigos publicados no período de 2010 a 2019, utilizando as bases de dados SCIELO, LILACS, BIREME e PUBMED. Foram analisados 30 artigos em inglês e português, selecionados de acordo com os descritores: incontinência urinária, envelhecimento, saúde do idoso e fatores de risco, onde obteve-se 14 artigos elegíveis. Foram excluídos artigos que não atenderam integralmente o objetivo e artigos duplicados. Discussão e Resultados: Foram encontrados inúmeros fatores que podem levar ao quadro de incontinência urinária, e dentre eles os de risco associado à com morbidades. A literatura aponta que na população idosa um dos fatores mais comuns são o enfraquecimento do assoalho pélvico e perda de mobilidade articular e que, além destes, existem doenças e condições que podem acarretar esse processo patológico. Com base nisto, o tratamento vem se tornando cada vez mais claro e multidisciplinar, iniciando desde o momento de diagnóstico, através de exames laboratoriais de rotina e específicos, até o tratamento medicamentoso, através da antibioticoterapia e terapêutico, com a fisioterapia pélvica. Conclusão: O risco de ocorrência da incontinência urinária no decorrer da vida esta associado a fatores diversos, afetando diretamente a qualidade de vida, principalmente da população idosa.
doi:10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/saude/incontinencia-urinaria fatcat:b43esg6c7vfsjgykvrrxfxbvra