O desenvolvimento das Ciências Sociais e a modernização brasileira

Natalia Maria Casagrande
2019 Revista Sem Aspas  
RESUMO: A intelectualidade vivencia uma ruptura com os padrões de consagração vigentes na Primeira República. A partir da tomada do poder por Getúlio Vargas e a Revolução de 1930, tem-se início um novo cenário político. Devido à queda do preço do café, o modelo agroexportador encontrava-se em processo de decadência, pois já não era mais possível manter artificialmente o valor deste produto. Somam-se a este fator as restrições provocadas pela crise financeira de 1929, o que implicou na queda da
more » ... plicou na queda da demanda externa e no surgimento de novos competidores. Neste contexto, os intelectuais estão subordinados de um modo mais intenso à conjuntura política do que propriamente às questões culturais. A função e atuação dos intelectuais ultrapassam, desta maneira, o campo estritamente intelectual e adentram o do político. Assim, o presente trabalho tem como objetivo demonstrar a relação entre a modernização brasileira e o desenvolvimento institucional e intelectual das Ciências Sociais no Brasil. PALAVRAS-CHAVE: Modernização. Ciências sociais. Intelectuais. Institucionalização. RESUMEN: La intelectualidad experimenta una ruptura con los estándares de consagración vigentes en la Primera República. A partir de la toma del poder por Getúlio Vargas y la Revolución de 1930, comenzó un nuevo escenario político. Debido a la caída en el precio del café, el modelo de agroexportación estaba en proceso de descomposición, ya que no era posible mantener artificialmente el valor de este producto. A este factor se suman las restricciones causadas por la crisis financiera de 1929, que implicó una caída de la demanda externa y la aparición de nuevos competidores. En este contexto, los intelectuales están más fuertemente subordinados a la situación política que a los asuntos culturales. La función y el desempeño de los intelectuales, de esta manera, van más allá del campo estrictamente intelectual y entran en el de lo político. Así, el presente trabajo tiene como objetivo demostrar la relación entre la modernización brasileña y el desarrollo institucional e intelectual de las Ciencias Sociales en Brasil. ABSTRACT: Intellectuality experiences a rupture with the standards of consecration in force in the First Republic. From the seizure of power by Getúlio Vargas and the 1930 Revolution, a new political scenario began. Due to the drop in the price of coffee, the agro-export model was in a process of decay, as it was no longer possible to artificially maintain the value of this product. Added to this factor are the restrictions caused by the financial crisis of 1929, which implied a drop in external demand and the emergence of new competitors. In this context, intellectuals are more intensely subordinated to the political situation than to cultural issues. The function and performance of intellectuals, in this way, go beyond the strictly intellectual field and enter that of the political. Thus, the present work aims to demonstrate the relationship between Brazilian modernization and the institutional and intellectual development of Social Sciences in Brazil. Introdução Os anos 20 estão inscritos em um contexto de profundas mudanças, que também são simbólicos na história política e cultural brasileira, por inaugurarem a gênese do Brasil Moderno, com a introdução de procedimentos, hábitos, ângulos de visão e diagnósticos que orientaram e mobilizaram várias gerações (LAHUERTA, 1997). Tem-se início um novo cenário político, a partir da tomada do poder por Getúlio Vargas e a Revolução de 1930. O modelo agroexportador encontrava-se em processo de decadência, devido à queda do preço do café, pois já não era mais possível manter artificialmente o valor deste produto. Somam-se a este fator as restrições provocadas pela crise financeira de 1929, o que implicou na queda da demanda externa e no surgimento de novos competidores. Em contrapartida, a industrialização vigora em decorrência da desvalorização da moeda e do encarecimento dos importados. Neste cenário, o Estado foi fundamental propulsor para a promoção do capitalismo no Brasil, tornando-se primordial para o desenvolvimento nacional, garantindo as condições elementares que impulsionariam e dariam forma ao processo de industrialização. Com o surgimento das estatais, o Estado passou a promover condições para a industrialização, além da figura de principal investidor. O Governo criou a infraestrutura necessária para o desenvolvimento da industrialização no país, obtendo recursos para a instalação da Companhia Siderúrgica Nacional, a Usina de Volta Redonda; além da construção de estruturas para o transporte marítimo, aéreo e terrestre, o que facilitou o tráfego de insumos e mercadorias. Instituiu também o Conselho Nacional do Petróleo, com o intuito de monopolizar o refinamento e a distribuição do combustível necessário para o desenvolvimento dos transportes. O desenvolvimento das ciências sociais e a modernização brasileira
doi:10.29373/sas.v8i2.13358 fatcat:fafoblvgznenlcwppeyp3p2ym4