Max Weber e o debate sobre a natureza da economia antiga

Danilo Andrade Tabone
2012 Archai: Revista de Estudos sobre as Origens do Pensamento Ocidental  
A navegação consulta e descarregamento dos títulos inseridos nas Bibliotecas Digitais UC Digitalis, UC Pombalina e UC Impactum, pressupõem a aceitação plena e sem reservas dos Termos e Condições de Uso destas Bibliotecas Digitais, disponíveis em https://digitalis.uc.pt/pt-pt/termos. Conforme exposto nos referidos Termos e Condições de Uso, o descarregamento de títulos de acesso restrito requer uma licença válida de autorização devendo o utilizador aceder ao(s) documento(s) a partir de um
more » ... partir de um endereço de IP da instituição detentora da supramencionada licença. Ao utilizador é apenas permitido o descarregamento para uso pessoal, pelo que o emprego do(s) título(s) descarregado(s) para outro fim, designadamente comercial, carece de autorização do respetivo autor ou editor da obra. Na medida em que todas as obras da UC Digitalis se encontram protegidas pelo Código do Direito de Autor e Direitos Conexos e demais legislação aplicável, toda a cópia, parcial ou total, deste documento, nos casos em que é legalmente admitida, deverá conter ou fazer-se acompanhar por este aviso. Max Weber e o debate sobre a natureza da economia antiga Autor(es): Tabone, Danilo Andrade Publicado por: exemplo, desenvolveu-se a ideia de que "a colonização da época arcaica teria obedecido ao móbil de procurar novos mercados para a indústria das metrópoles, tornada excedentária" (austin, VidaL-naQuet, 1986, p. 113). inclusive conflitos eram assim interpretados, em termos de combates entre cidades comerciais, como a guerra do Peloponeso, visto como um conflito de interesses entre atenas e mégara, e atenas e corinto, e não como uma rivalidade política entre atenas e esparta, como julgou tucídides. bücher aceitou o debate, limitado ao âmbito da economia grega. ele mostrou numerosas falhas na tese dos "modernistas": demonstrou com justiça que a base da concepção modernista é um abuso ou, no mínimo, um uso imprudente das fontes (wiLL, 1954, p. 11). ed. will reconhece que a resposta de bücher não teve o eco que mereceu, o que, todavia, não torna aceitável a sua própria tese dos três estágios da economia. estes são os dois principais modelos interpretativos da economia antiga neste final do século xix (JoLY, 1999). e, como se pode perceber, o debate ficou restrito aos círculos intelectuais alemães. Foi uma controvérsia essencialmente alemã que, poucas vezes, teve algum eco em outros países. citem-se dois artigos da Revue des Annales: um de Louis gernet, de 1933 6 , e o outro de Édouard will, de 1954, os quais se resumiram em sínteses do debate alemão (descat, 1995). como bem percebem michel austin e Pierre Vidal-naquet "o debate fora visivelmente mal iniciado" (austin, VidaL-naQuet, 1986, p. 17). o erro de ambos era o mesmo, e ele estava nos termos do debate -se a economia antiga era primitiva ou moderna -o que pressupunha uma evolução econômica uni linear. tratava-se simplesmente de determinar em que ponto da linha estava a economia grega. A questão de saber se se podia estudar a 'economia' grega isoladamente e a partir de conceitos econômicos criados para o mundo moderno, problema fundamental, nem sequer era posta. Enquanto era de conceitos que se deveria ter começado por discutir, fazia-se de conta que o problema se situava unicamente ao nível dos factos (AUSTIN, VIDAL- -NAQUET, 1986, p. 18).
doi:10.14195/1984-249x_8_5 fatcat:qblda6dkbndmjk3mcidu5u3l4y