Níveis sérico e salivar de imunoglobulina A em portadores de câncer da boca e orofaringe

Robson Machado de Souza, Carlos Neutzling Lehn, Odilon Victor Porto Denardin
2003 Revista da Associação Médica Brasileira  
RESUMO -OBJETIVO. Avaliar a concentração sérica e salivar de IgA. Pacientes com câncer de cabeça e pescoço podem apresentar alterações na concentração de IgA sérica e salivar, decorrentes de desordem imunológica inespecífica que acompanha o desenvolvimento das lesões malignas. MÉTODOS. Estudo prospectivo em dois grupos: 34 pacientes portadores de carcinoma epidermóide da boca e orofaringe e 34 controles pareados por idade e sexo. Sangue e saliva foram colhidos e as amostras dosadas por
more » ... osadas por nefelometria e imunodifusão radial. A análise estatística incluiu teste t de Student, ANOVA e coeficiente de correlação de Pearson, com limite de significância de 5%. RESULTADOS. A comparação entre os métodos de nefelometria e imunodifusão radial não mostrou diferença (p = 0,039). As concentrações de IgA sérica foram de 279,4 ± 131,7 mg/dl no grupo controle e 310,9 ± 194,1 mg/dl no grupo de estudo. A concentração de IgA salivar, por nefelometria, foi de 17,0 ± 10,4 mg/dl para os controles e 7,2 ± 5,0 mg/dl nos portadores de câncer e a imunodifusão radial mostrou concentrações de 13,7 ± 9,1 mg/dl e 5,6 ± 4,2 mg/dl para controles e grupo de estudo, respectivamente. Não foram encontradas correlações entre idade, estádio clínico da doença e níveis sérico ou salivar de IgA. CONCLUSÃO. Os indivíduos com câncer da boca e orofaringe apresentaram concentração sérica de IgA semelhante aos controles, mas com concentração de IgA salivar menor no grupo oncológico. Causas associadas à diminuição de IgA salivar como desnutrição, estresse e uso de tabaco podem estar relacionadas a estes achados. UNITERMOS: Imunoglobulina A sérica. Imunoglobulina A salivar. Neoplasia de cabeça e pescoço. Nefelometria. Imunodifusão radial. INTRODUÇÃO As imunoglobulinas pertencem a classe das gamaglobulinas, proteínas plasmáticas que exibem propriedades imunológicas. Embora outras proteínas do soro possam participar dos fenômenos imunológicos, elas não apresentam o mesmo grau de importância das gamaglobulinas. As imunoglobulinas são classificadas, de acordo com suas características físico-químicas e biológicas, em cinco sub-grupos representados pelas letras A, D, E, G e M. A verificação, por Tomasi e Zigelbaum 1 , da presença de imunoglobulina A (IgA) nas secreções externas como lágrima, saliva, suco gástrico e, por Tomasi 2 , da existência da imunoglobulina G (IgG) nos fluídos internos como líquido sinovial, amniótico e fluído gengival abriram novas perspectivas no estudo da imunidade local. Os autores relataram a inexistência de correlação direta entre nível de IgA do soro e quantidade de IgA nas secreções externas, indicando que os indivíduos podem apresentar alterações isoladas em qualquer destes compartimentos. A IgA desempenha papel importante na neutralização e eliminação de antígenos locais 3 e na modulação de fatores imunológicos teciduais ou humorais. Lehner 4 estudou a participação da imunodeficiência celular intermediária no desenvolvimento do carcinoma oral demonstrando a associação entre modificações imunológicas e transformação carcinomatosa da leucoplasia. Em indivíduos com câncer, a síntese de anticorpos pode estar comprometida ou exacerbada, na dependência dos mecanismos imunológicos envolvidos na proliferação de células tumorais, determinando elevação ou redução nas concentrações de frações das imunoglobulinas. O carcinoma epidermóide de cabeça e pescoço apresenta deficiência imunológica caracterizada por alto grau de desordem na produção de células plasmáticas com reflexo na produção de imunoglobulinas 5 . O objetivo deste trabalho foi a avaliação dos níveis de imunoglobulina A sérica e salivar em pacientes com câncer de boca e orofaringe, visto que as evidências destas alterações não foram descritas no nosso meio.
doi:10.1590/s0104-42302003000100032 fatcat:mnrjdh27j5caldjow6cypfp77e