A branquidade conservadora de Vogue Brasil no século XXI

Daniela Novelli
2016 ModaPalavra e-periódico  
Resumo A presente reflexão é parte integrante de recente pesquisa doutoral interdisciplinar sobre a produção imagética, narrativa e discursiva de uma branquidade conservadora nas páginas do periódico de alta moda e prêt-à-porter de luxo Vogue Brasil. Questões teórico-metodológicas inseridas notavelmente nos campos dos estudos culturais, de gênero e pós-coloniais são articuladas por meio de uma análise qualitativa de dois editoriais de moda, publicados nos anos de 2007 e 2008 e apontam para o
more » ... e apontam para o "autoexotismo" da natureza e de nossa cultura popularmarcado simbolicamente pela primazia do corpo [branco] feminino, considerando-se ainda a legitimação de vozes produtoras de discursos de competência e renovação constante, bem como o cruzamento da violência simbólica racial com outras formas de dominação (de classe e de gênero/sexual). Palavras-chave: autoexotismo; Vogue Brasil; branquidade. Abstract This reflection is part of recent interdisciplinary doctoral research about the imagery, narrative and discursive production of conservative whiteness in the high fashion journal pages and ready-to-wear luxury Vogue Brazil. Theoretical and methodological issues included notably in the fields of cultural studies, gender and postcolonial are articulated through a qualitative analysis of two fashion editorials, published in 2007 and 2008 and pointed to the "self-exoticism" of nature and Brazilian ModaPalavra E-periódico 38 Ano 8, n.16, jul-dez 2015, pp. 037 -049. ISSN 1982-615x popular culture -symbolically marked by the primacy of the body [white] women, considering also the legitimacy of producing voices speeches of competence and constant renewal, and the intersection of racial symbolic violence with other forms of domination (class and gender / sexual).
doi:10.5965/1982615x08162015037 fatcat:hrovieuzlzbq3pjpducsxwcqa4