A ideia de natureza em José Barbosa de Sá, com especial referência às plantas

Rafael DIAS DA SILVA CAMPOS, Christian Fausto MORAES DOS SANTOS
2015 Scientiae Studia  
resumo Este artigo visa discutir elementos filosóficos presentes na obra de José Barbosa de Sá (?-1776). Buscamos analisar o sistema de classificação botânica do autor, observando a relação com a construção de analogias e similitudes, avaliando em que medida tais ideias se coadunavam com concepções religiosas. Procuramos ainda discutir o conhecido debate sobre a reprodução vegetal no século xviii, analisando concepções não acadêmicas. Palavras-chave • Barbosa de Sá. Filosofia natural. Historia
more » ... natural. Historia natural. Século xviii. Iluminismo. Plantas. Deus. Similitudes. Classificação. Reprodução. No Jardim do Éden: analogias e similitudes com Deus Advogado licenciado que viveu na região das minas de Mato Grosso e Cuiabá durante o século xviii, José Barbosa de Sá (?-1776) foi autor de um inédito, Diálogos geográficos, cronológicos, políticos e naturais (1769). Também escreveu uma obra influente sobre as povoações das regiões de Cuiabá e Mato Grosso (1975Grosso ( [1775), que ainda hoje serve de base para diversas pesquisas sobre o Mato Grosso setecentista, por ser considerada a primeira crônica sobre a região. Sua produção sobre o mundo natural é rica, embora pouco conhecida, posto que Barbosa de Sá não estava inserido nos conhecidos círculos letrados do século xviii. Nesse sentido, pode ser importante observar que a história natural do século xviii apresenta uma dificuldade de acesso a pessoas letradas que possuíam pensamentos significativamente distantes dos círculos intelectuais da época. Barbosa de Sá era um intelectual pela novidade de suas ideias e pela ampla gama de leituras que realizou; todavia, o termo "intelectual" acaba enquadrando-o juntamente com autores que tiveram uma trajetória biobibliográfica totalmente diferente. Com base nessa dificuldade, podemos analisar as diferenças entre os universos autodidata de Sá e dos letrados setecentistas scientiae zudia, São Paulo, v. 13, n. 3, p. 519-45, 2015 519 http://dx.
doi:10.1590/s1678-31662015000300003 fatcat:mnkt3dhm5beoxmza7sukumkdgq