Avaliação do efeito neuroprotetor de compostos obtidos da peçonha da aranha Parawixia bistriata, em cultura primária mista de células do tecido nervoso, de ratos Wistar [thesis]

Eduardo Octaviano Primini
Carolina. AGRADECIMENTOS À Deus pela força e fé para superar todas as dificuldades. Aos meu pais, que sempre compreenderam e apoiaram as minhas decisões. Ao meu irmão Tiago, por toda a amizade. Á minha namorada Carolina, por todas as conversas e conselhos ao longo desta trajetória. Ao Prof. Dr. Wagner Ferreira dos Santos, por ter me aceitado em seu laboratório e ter compartilhado comigo inúmeros conhecimentos científicos, assim contribuindo para o meu desenvolvimento acadêmico. Ao Dr. José Luiz
more » ... o. Ao Dr. José Luiz Liberato, que muitas vezes foi para a bancada para participar da execução dos experimentos e sempre concedeu sugestões, as quais foram cruciais para a conclusão deste estudo. Ao Profs. Drs. Norberto Peporine Lopes e Leonardo Gobbo pelo apoio no processo de obtenção dos compostos. Á Profa. Dra. Maria de Lourdes Teixeira de Moraes Polizeli, que permitiu a utilização de equipamentos do seu laboratório. Ao técnico Sr. Mauricio de Oliveira pela esterilização dos materiais utilizados ao longo deste trabalho. Aos companheiros de Laboratório, Alberth González, Carol Medeiros, Igor Alves, Marcus Aguiar, Marcus Celani, Samia Nassir, Tamiris Prizon e Thiago Bronhara. Á Sra. Renata Vicentini, secretária do programa de pós-graduação em Psicobiologia, pela ajuda, paciência e compreensão. Ao programa de Pós-Graduação em Psicobiologia, pelas sólidas bases em comportamento e neurociências. À CAPES-PROEX e FAPESP, pelo apoio financeiro ao projeto. Ao CNPq, pela concessão da bolsa. À Universidade de São Paulo pela satisfação de poder estudar aqui. Primini, E.O. Avaliação do efeito neuroprotetor de compostos obtidos da peçonha da aranha Parawixia bistriata, em cultura primária mista de células do tecido nervoso, de ratos Wistar. 2016. 45f. Dissertação (Mestrado) -Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2016. RESUMO O L-glutamato (L-Glu) é o principal neurotransmissor excitatório em vertebrados e é fundamental para funções primordiais do sistema nervoso central (SNC), tais como aprendizagem e memória. Entretanto, quando este neurotransmissor está em excesso na fenda sináptica, pode provocar uma série de eventos excitotóxicos, que por sua vez, estão associados a muitas neuropatologias. A terapia da maioria dessas doenças é ineficiente e provoca sérios efeitos colaterais. Portanto, é necessário desenvolver fármacos mais efetivos e com menos efeitos colaterais. Assim, peçonhas de artrópodes como a da aranha P. bistriata, se apresentam como fontes alternativas de compostos neuroativos, pois já demonstraram efeitos neuroprotetores in vitro e in vivo, bem como anticonvulsivos. Destarte, o objetivo deste estudo foi investigar um possível efeito neuroprotetor da fração RT10, isolada da peçonha de P.bistriata, em cultura primária de neurônios e glias (CPNGs), do tecido nervoso de ratos recém-nascidos, expostos a concentrações tóxicas de L-Glu (5mM). As CPNGs foram tratadas durante 3 horas, previamente a lesão, por 12h. Ambas as exposições (tratamento e lesão) foram conduzidas no 7º dia in vitro (DIV). Para analisar quantitativamente e qualitativamente os efeitos dos tratamentos, bem como demonstrar a composição das CPNGs foram realizados ensaios de viabilidade celular, com o sal sódico de resazurina (SSR) e, imunomarcações com anticorpos primários para MAP2, NeuN e GFAP. A fração RT10 foi neuroprotetora, pois diminuiu a perda celular nos testes com o SSR em 10%, nas CPNGs, expostas ao L-Glu, além de apresentarem efeito maior (5%), que o fármaco Riluzole (RIL). A neuroproteção da RT10 também foi observada nos ensaios de imunocitoquimica. Os neurônios tratados com RT10 e RIL, que foram marcados com anti-MAP2 tiveram maior prolongamentos dos dendritos em relação aos neurônios não tratados. Portanto, a intensidade da fluorescência de anti-MAP2 para os neurônios tratados com esta fração foi 38% maior em relação aos não tratados; e 21% maior quando comparados ao grupo RIL. Deste modo, podemos considerar a RT10, como uma ferramenta para a prospecção de novos fármacos contra neurodegenerações, in vitro e principalmente estudos de mecanismo de ação, cujas variáveis podem ser mais bem controladas. Palavras chave: Neurônio, glia, L-Glu, neurotransmissão, excitotoxicidade, neuroproteção, Parawixia bistriata, Parawixinas, RT10 Primini, E. O. Evaluation of the neuroprotective effect of compounds from Parawixia bistriata spider venom, in primary mixed cells culture from cerebral tissue of newborn Wistar rats. 2016. 45f. Thesis (Master) -Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2016. ABSTRACT L-Glutamate (L-Glu), the major excitatory neurotransmitter in the central nervous system of vertebrates, is essential to the occurrence of cognitive functions. However, when L-Glu is over-accumulated in a synaptic cleft it can provoke excitotoxicity (EXT), which has been implicated in many neurological disorders (NDs). The current therapies against NDs are undereffective and can provoke side effects, so it is necessary to develop new treatments. In this regard, neuroactive compounds obtained from Parawixia bistriata spider venom are an alternative source of neuroactive compounds, because they showed neuroprotective effects in vitro and in vivo. Thus, the main aim of this work was to evaluate a possible neuroprotective effect of fraction RT10 obtained from P. bistriata venom in primary culture of neuron and glial cells (PCNGCs) from cerebral tissue of newborn Wistar rats, after the exposition to L-glu toxic concentration (5mM). The PCNGCs were submitted to the neuroprotection treatments for 3 hours and previously to the neurotoxic treatment, which the L-glu stayed for 12h in the PNGCs. The both expositions were conducted on the 7th day in vitro (DIV). The Resazurin sodium salt (RSS) and immunocytochemistry (MAP2, NeuN e GFAP primary antibodies) trials were utilized to measure quantitatively and qualitatively the treatments, as well as to prove the culture composition. In the RSS trial, the RT10 was neuroprotector, since avoided the cell death in 10%, under the PCNGCs which were exposed to L-Glu. in addition, RT10 demonstrated higher effect than RIL (5%). RT10 attenuated the toxic effects of L-Glu under the neuromorphology, consequently the fluorescence intensity of MAP2 at PCNGC treated with RT10 was 38% higher than untreated group and it was 21% higher than RIL group. Thus, we can consider that RT10 compounds are valuable tools to the prospection of new drugs against NDs.
doi:10.11606/d.59.2017.tde-12042017-140133 fatcat:msn33yeb5nc7jgo7w7snclbm3a