Análise dos valores SUS para a revascularização miocárdica percutânea completa em multiarteriais

George César Ximenes Meireles, Marcos Kiyoshi Sumita, Antonio Artur da Cruz Forte, Desidério Favarato, Rodrigo Costa Quintão, Luciano Maurício de Abreu Filho
2010 Arquivos Brasileiros de Cardiologia  
Resumo Fundamento: O Sistema Único de Saúde (SUS) estabelece que a angioplastia coronariana com o implante de duplo stent não deve exceder 20% das angioplastias, resultando na necessidade de escalonar a maioria dos procedimentos nos pacientes com doença multiarterial. Objetivo: O objetivo do presente estudo foi avaliar os valores remunerados pelo SUS para a obtenção da revascularização miocárdica percutânea completa em pacientes do SUS com doença multiarterial relacionados ao número de
more » ... número de procedimentos necessários e de stents implantados. Métodos: Foram incluídos 141 pacientes com doença coronariana multiarterial, submetidos à revascularização completa com sucesso pelo implante de stent, com coronariografia aos 6 meses pós-implante. A revascularização completa foi definida como o tratamento percutâneo de todas as lesões com percentual de estenose > 70%, em vasos com diâmetro > 2 mm. Para análise dos custos, foram considerados os valores da Tabela SIH/SUS de R$ 2.263,77 para o procedimento e R$ 2.034,23 por stent implantado. Resultados : No período de 07/2006 a 12/2007 foram implantados 416 stents em 141 pacientes. A idade média foi de 59,7 ± 9,9 anos, com predomínio do sexo masculino (68,1%). O número de vasos foi 356 e o número de lesões 416. Para a obtenção da revascularização completa pelo implante de stent coronáriano foi necessário o escalonamento em até 4 procedimentos. O tempo médio entre a 1ª e 2ª, 2ª e 3ª e 3ª e 4ª angioplastias foi de 45,8 ± 37,7, 55,4 ± 55,3 e 33,5 ± 19,1 dias, respectivamente. Conclusão: A revascularização percutânea completa em pacientes do SUS com doença coronariana multiarterial, realizada em sua grande maioria de forma escalonada, ocasiona considerável elevação de gastos públicos devido ao aumento do número de procedimentos. (Arq Bras Cardiol. 2010; [online]. ahead print, PP.0-0) Palavras-chave: Doença da artéria coronariana, stents, revascularização miocárdica, política de saúde. Abstract Background: The Brazilian Public Health System (SUS, acronym in Portuguese) establishes that coronary angioplasty with the double implant stent must not exceed 20% of the angioplasties, resulting in the need of assigning most of the procedures in patients with multiarterial disease. Objective: The objective of the present study was to assess the paid values by the SUS in order to obtain the complete percutaneous myocardial revascularization in the SUS patients with the multiarterial disease, related to the number of necessary procedures and of implanted stents. Methods: A total of 141 patients with multiarterial coronary disease, submitted to a successful complete revascularization, were included by the stent implant with coronariography in a 6-month period of post-implant. The complete revascularization was defined as the percutaneous treatment of all stenosis > 70% in vessels with diameter > 2 mm. For the costs analysis, the values from the Sistema de Informações Hospitalares (SIH) of the SUS table were considered as R$ 2,263.77, for the procedure; and R$ 2,034.23, per implanted stent. Results: In the period from 7/2006 to 12/2007, 416 stents were implanted in 141 patients. The mean age was of 59.7 ± 9.9 years old, prevailing the male sex (68.1%). The number of vessels was 356 and the lesions number corresponded to 416. In order to obtain the complete revascularization by the coronary stent implant, it was necessary to stagger in up to four procedures. The mean time between the 1 st and 2 nd , 2 nd and 3 rd and 3 rd and 4 th angioplasties was of 45.8 ± 37.7; 55.4 ± 55.3 and 33.5 ± 19.1 days, respectively. Conclusion: The complete percutaneous revascularization in patients from the SUS with the multiarterial coronary disease, carried out in most of them staggered, causes considerable elevation of public expenses due to the increase of procedures' number. (Arq Bras Cardiol. 2010; [online]. ahead print, PP.0-0)
doi:10.1590/s0066-782x2010005000008 pmid:20209371 fatcat:7x64zfutpnfrva6l3msdvh2y3a