Diabetes autoimune em adultos: características clínicas e autoanticorpos

Maria Elizabeth R. Silva, Mileni J.M. Ursich, Dalva M. Rocha, Rosa T. Fukui, Márcia R.S. Correia, Suemi Marui, Lais I. Alves, Rosa F. Santos, Bernardo L. Wajchenberg
2003 Arquivos brasileiros de endocrinologia e metabologia  
Avaliamos a prevalência dos anticorpos anti-insulina (IAA), anti-decarboxilase do ácido glutâmico (anti-GAD), anti-ilhota de Langerhans (ICA) e as características clínicas e metabólicas de 66 pacientes com diabetes mellitus (DM) de início na idade adulta (47,2±11,6 anos) e duração do DM de 14,3±8,4 anos. RESULTADOS: ICA foi positivo em 10 casos (10 a 640U JDF), três deles também positivos para anti-GAD (15,6 a 113,5U/ml) e um deles para IAA (naqueles sem terapia insulínica). 15,2% dos pacientes
more » ... 15,2% dos pacientes tinham um ou mais autoanticorpos, com maior prevalência para ICA. Os pacientes com e sem autoanticorpos não diferiram quanto à apresentação clínica do DM ou à prevalência de complicações. Apenas os níveis de colesterol foram menores no grupo anticorpo positivo (205,2±49,6 vs. 247,1±61,3mg/dl; p<0,05). CONCLUSÃO: 15,2% dos pacientes com DM de início na idade adulta tinham um ou mais autoanticorpos, com maior prevalência para ICA. A determinação de autoanticorpos é necessária para o diagnóstico do DM autoimune.
doi:10.1590/s0004-27302003000300008 fatcat:ktstadsmmbh23aeonjuxvsun3u