Fantasmas filosóficos: Observações sobre os "manuscritos clandestinos"
Fantômes philosophiques : Remarques sur les "manuscrits clandestins"

Alain Mothu, Reheniglei Rehem
2014 Problemata  
Resumo : Muitos manuscritos filosóficos aparecem e se difundem discretamente no século XVIII, mas nem todos são perigosos e, globalmente, eles não são vistos como muito ameaçadores para o Estado, pela polícia e os defensores do cristianismo, mesmo que às vezes sejam descritos como "filhos das trevas" ou produções "infernais". Os "maus livros" impressos, que são amplamente distribuídos, também parecem mais reais (simbolicamente) e mais perigosos. No entanto, talvez tenha sido um erro de
more » ... um erro de acreditar e não temer os fantasmas. Palavras-chave: Manuscritos clandestinos, Abstract: Many philosophic manuscripts appear and spread discreetly in the eighteenth century, but all are not so dangerous and, globally, they are not seen as very threatening by the State, by the police, and the defenders of the Christianity, even if they are sometimes described as « children of the darkness » or « infernal » productions. The printed « bad books », which are widely spread, also seem more real (symbolically) and more dangerous : however, maybe it was an error to believe it and not to be afraid of ghosts.
doi:10.7443/problemata.v4i3.17162 fatcat:75xef5uo6bgvrlrlptkukkwtri