Suite Française. Georges Didi-Huberman, uma experiência na História da Arte

Stéphane Huchet
2020 MODOS  
Os livros de Georges Didi-Huberman articulam um denso saber para produzir o que ele propôs chamar de "antropologia do visual". É uma posição de caráter neo-warburguiano, embora, no início de sua trajetória, Didi-Huberman não se apoiasse em Aby Warburg, que ele ainda não tinha integrado ao seu panthéeon. Antropologia que não representa mais um risco, mas uma chance para a História da arte. As imagens artísticas, observadas e analisadas com grande atenção crítica, revelam processos que seu
more » ... ssos que seu conhecimento aprofundado da filosofia o legitimam a qualificar como "dialéticos". Suas primeiras ideias e argumentações, disseminadas em vários livros que se sucederam em um ritmo anual, encontraram em Aby Warburg, por volta do ano 2000, um modelo de confirmação e consolidação. A historiografia e a filosofia da arte de Didi-Huberman foram construídas por meio de livros que privilegiam artistas, pensadores, críticos (Fra Angelico, Giorgio Vasari, Sigmund Freud, Erwin Panofsky, Georges Bataille, Carl Einstein, Aby Warburg, Alberto Giacometti, Marcel Duchamp, Walter Benjamin, Bertold Brecht, os minimalistas, Pier-Paolo Pasolini, Giorgio Agamben), que instigam uma História da arte que é uma filosofia prática da imagem e do tempo.
doi:10.24978/mod.v4i3.4605 fatcat:3rbtlktuqfgwlcg4766mesybiy