MEDICAMENTOS À BASE DE PLANTAS: CONTRIBUTO PARA O APROVEITAMENTO DOS RECURSOS NATURAIS NACIONAIS Resumo

João Martins, I Docente, Universitário
unpublished
A utilização de plantas com fins medicinais e terapêuticos, baseada em diferentes tradições etnofarmaco-lógicas, tem sido harmonizada na União Europeia na última década. Atualmente, uma quantidade consi-derável de monografias de eficácia para plantas, com indicações aprovadas quer para uso bem estabelecido quer para o registo de utilização tradicional, estão já aprovadas a nível comunitário. Várias destas plantas surgem espontaneamente em Portugal, indicando que é possível a sua cultura e
more » ... sua cultura e exploração por empresas interessadas na sua utilização, comércio e exportação, como medicamentos. São apresentadas as indica-ções terapêuticas aprovadas a nível comunitário para plantas que surgem espontaneamente em Portugal e sugere-se a constituição de uma plataforma que reúna as autoridades competentes, as universidades e os agentes económicos, que promova e facilite a exploração destes recursos naturais nacionais. Palavras-chave: Plantas medicinais, medicamentos tradicionais, utilização tradicional, recursos naturais. Abstract In the last decade the European Union has harmonized the use of plants with medicinal and therapeutic purposes, based on different ethnopharmacological traditions. Currently, a considerable amount of monographs demonstrating the efficacy of several plants are already approved at community level, with indications for use either as well established authorization or traditional use registration. Several of these plants grow spontaneously in Portugal, indicating that it is possible their culture and exploitation by companies interested in their use, trade and export, as medicines. In this article the approved indications at Community level for plants that arise spontaneously in Portugal are presented, being also suggested the creation of a platform that brings together authorities, universities and economic actors to promote and facilitate the exploitation of these valuable national natural resources. A história da medicina está intimamente ligada à des-coberta e utilização das plantas medicinais 1-6. Desde cedo que as civilizações primitivas se apercebe-ram da existência, ao lado das plantas comestíveis, de outras dotadas de maiores ou menores efeitos sobre o organismo, desde efeitos tóxicos (venenos) até à inter-venção sobre a doença, revelando muitas vezes, embora empiricamente, o seu potencial curativo 2. Esta relação é comprovada por vários registos da anti-guidade, onde se destacam, entre outros, documentos como o papiro de Ebers (1550 a.C.) 7,8 , que representa o primeiro tratado médico egípcio conhecido, da pri-meira metade do século XVI antes da Era Cristã 2 e que descreve 877 medicamentos, incluindo medicamentos derivados de plantas, ou a compilação do conhecimen-to popular sobre plantas medicinais pelo imperador chinês Shen Nung (2000 a.C.) 4. A utilização de plantas medicinais não é apenas um fe-nómeno histórico. Com efeito, segundo Kirkpatrick 9 , representa mais de 30 por cento do mercado farma-cêutico e 11 por cento dos medicamentos considera-dos como básicos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) derivam exclusivamente de plantas 10. A OMS estima que mais de 80 por cento da população mundial se trata com plantas medicinais, sendo que nos países em desenvolvimento a fitoterapia constitui a base dos cuidados primários de saúde 11. Por outro lado, os pro-Rev Port Farmacoter | 2013;5:22-38 22
fatcat:knw5vnk6y5fv3nlkoia5lauqpa