Relação lisina digestível e energia metabolizável para leitões em fase pré-inicial de creche

Messias Alves da Trindade Neto, Dirlei Antonio Berto, Ricardo de Albuquerque, Eliana Aparecida Schammass
2009 Revista Brasileira de Zootecnia  
Estudou-se a melhor relação entre lisina digestível (LIS) e energia metabolizável (EM) e efeitos no desempenho e balanço de nitrogênio em leitões na fase de creche. No desempenho foram usados 216 leitões dos 6,90 ± 1,11 kg de peso inicial aos 12 kg, aproximadamente. No metabolismo eram 48 leitões com 9,31 ± 2,09 kg. As concentrações de LIS eram: 1,302; 1,390 e 1,497% e de EM: 3.510, 3.700 e 3.830 kcal/kg, combinadas em um arranjo fatorial 3 × 4 e distribuídas em delineamento de blocos ao acaso.
more » ... de blocos ao acaso. No desempenho dos leitões houve interação LIS EM no ganho de peso e conversão alimentar. No ganho de peso a resposta para LIS foi linear crescente nas dietas com 3.510 kcal e 3.830 kcal de EM. Na conversão alimentar observou-se efeito quadrático de LIS nas dietas que continham 3.510 kcal e efeito linear de LIS nas dietas com 3.830 kcal de EM. O efeito quadrático de LIS dentro de 3.510 kcal indicou 1,44% do aminoácido digestível como nível ótimo ou a ingestão de 4,16 g LIS/Mcal de EM consumida. A resposta linear positiva na conversão alimentar ao acréscimo de LIS nas dietas com 3.830 kcal EM indica maior eficiência dos leitões ao acréscimo do aminoácido quando o nível de energia é alto. No ensaio de metabolismo o aumento de EM sugere maior retenção de N, enquanto o acréscimo de LIS sugere menor retenção do N ou na relação Mcal de EM:% LIS. A interação observada nos dois ensaios, todavia, indica que a relação LIS:EM, depende do nível energético e da característica considerada. A variação de LIS e EM na dieta indica 4 g LIS/Mcal de EM consumida, o que corresponde à ingestão diária aproximada de 7,8 g de LIS.
doi:10.1590/s1516-35982009000700019 fatcat:orcm3vlhkzgtzbnbxz7gruxul4