ESPESSURA DO CIRCUITO DE RADIO FM EM CAMPINAS

Cristiano Nunes Alves
2014 Geo UERJ  
RESUMO Neste artigo analisamos a conformação e a espessura do circuito de rádio FM em Campinas. O circuito FM se insere no campo da indústria cultural em especial desde a década de 1970, tendo se expandido num momento de aceleração do processo de urbanização brasileira. Hoje este circuito integra um aparelho maior, ligado a estratégias verticais de uso do território. Trata-se, pois, de um estudo de Campinas enquanto um lugar que abriga densidades técnica, informacional e comunicacional.
more » ... nicacional. Problematizamos as condições geográficas contemporâneas de vida nesta cidade, indagando sobre a existência e o espraiamento de circuitos ascendentes de informação no território usado. ABSTRACT This paper examines the formation and the thickness of the circuit of radio FM in Campinas. The circuit FM in Campinas falls in the field of cultural industry since de decade of 1970, and has been expanding in the context of urbanization and metropolis growing in Brazil. Today this circuit incorporates a bigger system, coupled with the strategies of vertical use of the territory. It is, therefore, a study of Campinas as a place that houses technical, informational and communicational densities. We analyzed geographical conditions of contemporary life in this city, inquiring about the communication component in the use of the territory. Introdução Com significativa densidade técnica-informacional, e entre as cidades mais importantes do estado de São Paulo, Campinas abriga atualmente cerca de 1.100.000 habitantes (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE, 2012). Caracterizada pela desigualdade socioterritorial, sua região é importante elo informacional, polo industrial e tecnológico intensamente ligado à metrópole paulista. Num contexto de urbanização do território e no mesmo compasso do crescimento do mercado fonográfico nacional, desponta desde meados da década de 1970 o circuito de rádio FM campineiro. Trata-se do ensejo no qual se delineia a centralidade das emissoras oficiais (concessionadas) na difusão massiva da produção fonográfica. A partir daí, entendemos que se espraia "a influência no circuito sonoro", uma importante variável do território atual. A constituição e o movimento do circuito sonoro implicam na apropriação no uso de praças, bares, ruas, objetos técnicos de informação -desde rádios até telefones celulares -estúdios de produção fonográfica, emissoras de rádio, satélites informacionais, lojas de tecnologia de gravação, entre outros. Sua dinâmica envolve o registro material da produção fonográfica, as mediações das experiências cotidianas ligadas à música e o fluxo de informações criado, que perpassa a produção musical, os eventos musicais e todo o contato entre os agentes envolvidos. O circuito de rádio FM traz à tona um momento desse circuito maior, cada vez mais cerceado pelos ditames da indústria cultural "um sistema" invasor das consciências (ADORNO, 2004: 7) e orientador das experiências sonoras dos micro-circuitos nos lugares. A abordagem do circuito sonoro em Campinas corresponde ao estudo geográfico da música, produzida e difundida no emaranhado meio urbano, tema, ao que tudo indica premente de aprofundamento em nossa disciplina (ROMAGNAN, 2000; CLAIRE, 2006; MARTIGNONI, 2006) .
doi:10.12957/geouerj.2014.4742 fatcat:cp52bcccozajzcx5vbpeoo7o4q