ESQUIZOFRENIA CATATÔNICA: UM RELATO DE CASO

Matheus Mitsuo de Souza Kasai, Nicole Cirilo Ducci, Taynara Melchior Fratoni, Aline Aparecida Buriola
2018 Colloquium Vitae  
RESUMO A esquizofrenia é um transtorno psicótico que se caracteriza por déficits no neurodesenvolvimento, que acarretam prejuízos no funcionamento pessoal, social, acadêmico ou profissional do indivíduo. A catatonia pode vir associada a diversos transtornos do neurodesenvolvimento, atingindo cerca de 35% das pessoas com esquizofrenia, e, é caracterizada pela perturbação psicomotora acentuada que pode envolver atividade motora excessiva e peculiar. Assim, este estudo objetiva apresentar um caso
more » ... e uma jovem com quadro clínico característico de esquizofrenia catatônica, a qual começou com obsessões por operações matemáticas, ouvia vozes ameaçando-a caso não solucionasse as operações. Tinha obsessão também por tomar banho e lavar as mãos. Durante sua internação apresentava episódios catatônicos, não contactuava, não possuía expressão facial, apresentava-se em posição ortostática e em mutismo. Houve melhora do quadro com internação e uso de benzodiazepínico e neurolépticos. ABSTRACT Schizophrenia is a psychotic disorder that is characterized by a neurodevelopment deficit, what brings losses in the personal, social, academic and professional operations. The catatonia can be associated with various neurodevelopment disorders, affecting 35% of the schizophrenics, and it is characterized by the accentuated psychomotor disturbance, what can involve an excessive and peculiar motor activity. We present the case of a young girl with a clinical condition of catatonic schizophrenia. It started by an obsession for mathematics operations, she had heard voices threaten her in the case she would not accomplish the operations. She also had obsessions for taking baths and washing hands. During her hospitalization, she had catatonic episodes, of which she did not make contact or any facial expression. She acted in an orthostatic position and did not talk. There was an improvement with the hospitalization and the use of benzodiazepines and neuroleptics.
doi:10.5747/cv.2018.v10.n3.v245 fatcat:6nra7anqxzgndb75ciiikbv3ny