[Recensão a] Ludi Romani (Espectáculos en Hispania Romana)

Maria Filomena Barata, José d' Encarnação
2003 Conimbriga Revista de Arqueologia  
A navegação consulta e descarregamento dos títulos inseridos nas Bibliotecas Digitais UC Digitalis, UC Pombalina e UC Impactum, pressupõem a aceitação plena e sem reservas dos Termos e Condições de Uso destas Bibliotecas Digitais, disponíveis em https://digitalis.uc.pt/pt-pt/termos. Conforme exposto nos referidos Termos e Condições de Uso, o descarregamento de títulos de acesso restrito requer uma licença válida de autorização devendo o utilizador aceder ao(s) documento(s) a partir de um
more » ... o de IP da instituição detentora da supramencionada licença. Ao utilizador é apenas permitido o descarregamento para uso pessoal, pelo que o emprego do(s) título(s) descarregado(s) para outro fim, designadamente comercial, carece de autorização do respetivo autor ou editor da obra. Na medida em que todas as obras da UC Digitalis se encontram protegidas pelo Código do Direito de Autor e Direitos Conexos e demais legislação aplicável, toda a cópia, parcial ou total, deste documento, nos casos em que é legalmente admitida, deverá conter ou fazer-se acompanhar por este aviso. [Recensão a] Ludi Romani (Espectáculos en Hispania Romana) Autor(es): questões que a mesma levanta, nomeadamente quanto à eficácia das normas eclesiásticas nesse território. Javier Arce aceita, a exemplo de outros autores, que a inscrição pode reflectir uma nova expressão ideológica, onde a teologia da vitória passou a celebrar os fiéis, especialmente os mártires, como verdadeiros vencedores, sendo o prémio o Paraíso, como o demonstra a integração da iconografia pagã da vitória no universo cristão, como é o caso da palma. Ainda segundo este autor, é de estranhar a existência dessa inscrição, uma vez que, no Ocidente, como noutros pontos do Império, a decadência da vida urbana tem repercussões directas na organização dos ludi, e só as grandes capitais provinciais ou as dioceses continuaram a ter possibilidades financeiras para garantir o dispêndio que os jogos implicavam. Adianta, porém, que é um facto que a presença dos «Bárbaros» na Península Ibérica pode ter produzido um mimetismo da tradição romana passível de proporcionar a continuidade dos jogos circenses. No entanto, conclui Arce, a existência de inscrições tardias deste tipo em Mérida, bem como as reparações efectuadas no circo em pleno século IV, levam a aceitar que a cidade comemora desse modo o seu novo estatuto de diocesis. De louvar o Museu Nacional de Arte Romano de Mérida e seus colaboradores pela realização de iniciativas com estas características, permitindo um debate alargado em torno de temas específicos. De louvar, ainda, a qualidade científica das comunicações apresentadas na obra sobre a qual nos detivémos. Não poderia, contudo, deixar de salientar que, do meu ponto de vista, trabalhos de carácter temático com esta envergadura, cujo interesse ultrapassa a comunidade científica, deveriam possibilitar uma consulta mais rápida da bibliografia existente sobre o tema -no caso em apreço dos jogos circenses -pelo que teria sido desejável existir uma recolha bibliográfica geral, bem como um glossário que viabilizasse um melhor conhecimento da matéria a quem com ela não está tão familiarizado. Reforçando o já anteriormente dito, e pese a participação portuguesa no encontro, gostaria de ter visto expresso em alguns dos textos agora editados um conhecimento mais aprofundado do que se publica em Portugal ou sobre a realidade arqueológica portuguesa, até porque essa expressão representaria também uma maior maturidade da nossa comunidade científica e o seu reconhecimento internacional. O circo de Balsa, por exemplo, apesar de conhecido apenas através de fontes epigráficas, poderia também ter sido alvo de um interesse maior.
doi:10.14195/1647-8657_42_12 fatcat:3gxgpd7wcvfvzdkif6f6vv3ntq