OPERAÇÕES DE RETEXTUALIZAÇÃO EM TEXTOS DIVULGADOS EM SITES E NO TWITTER - O CASO DOS PERFIS DAS UNIVERSIDADES PIAUIENSES

Leila Rachel Barbosa Alexandre, Bruno Diego De Resende Castro, Maria Lourdilene Vieira
2011 Texto Livre: Linguagem e Tecnologia  
RESUMO: Neste artigo, são analisadas postagens divulgadas nos perfis institucionais de cinco universidades do estado do Piauí pelo Twitter. Elas são comparadas com as notícias correlatas, divulgadas nos sites das mesmas instituições, tendo em vista o processo de retextualização em relação às peculiaridades tecnológicas dos dois meios. PALAVRAS-CHAVE: Retextualização. Site. Twitter. ABSTRACT: In this article, are analyzed postings published in the posts published in the Twitter institutional
more » ... r institutional profiles from five universities in the state of Piauí, comparing them with related news, published on the websites of these institutions, observing the process of retextualization in relation to the technological peculiarities of the two media. INTRODUÇÃO Até abril de 2010, o Twitter ii , um serviço de comunicação baseado, principalmente, no envio de mensagens de até 140 caracteres, possuía cerca de 10 milhões de contas no Brasil, segundo a revista SuperInteressante, ou seja, esse sistema de comunicação é muito popular entre os brasileiros que utilizam Internet, fazendo com que o Brasil seja o segundo país que mais possui usuários (VERSIGNASSI, 2010). Esse contingente de usuários é composto tanto por pessoas comuns quanto por empresas, grupos, instituições etc., que utilizam o Twitter para atender seus propósitos comunicativos de forma específica. Dentre os tipos de usuários que mantêm contas no Twitter, nos chama atenção o uso da ferramenta pelas instituições de ensino superior, locais de circulação de gêneros que, geralmente, aparentam mais estabilidade (vide ofícios, matrículas, memorandos, avisos, editais), algo que parece acontecer também quando esses gêneros são veiculados no site da instituição. O Twitter tem características que fazem com que o conteúdo veiculado seja mais aberto, mais difícil de controlar e mais sujeito a avaliações, além de, principalmente, sofrer restrições de tamanho e formato de textos, diferentemente dos sites das instituições, que são controlados somente por pessoas ligadas às mesmas, possuem poucas ferramentas para interação mais explícita com o seu público-alvo e têm mais liberdade na formatação e tamanho dos textos que ali são veiculados. Dessa forma,
doi:10.17851/1983-3652.4.2.89-97 fatcat:c7zft4c5hnfrvinieeugs4jdwu