DOMUM

Julia Delmondes Santana
2017 Pixo  
O espetáculo: Julia Delmondes, arquiteta, urbanista e bailarina, expõe no "Domum" suas percepções espaciais advindas tanto da dinâmica arquitetônica/urbana quanto da dinâmica cênica. Ela acredita que a cidade pode ser vista como um palco que incentiva a busca de identidades significativas a partir da vivência de narrativas reais. O espetáculo "Domum" surgiu a partir de um video-dança feito em 2013 para um projeto de conclusão de curso de Arquitetura e Urbanismo denominado "A poética da
more » ... poética da Arquitetura do Abandono: uma experiência além do olhar". Neste projeto, a bailarina interviu em uma arquitetura abandonada [objeto arquitetônico] questionando e construindo sentidos sobre as imagens esquecidas daquele espaço. Em 2016, Julia propôs um novo estudo cênico sobre o "Domum" transformando-o em um espetáculo solo de dança contemporânea. O que antes era na escala de uma casa, agora passa para a escala urbana, visualizando as cidades abandonadas em sua completude e os "entres" que abrigam lacunas e vazios até então não percebidos. Neste momento, a cidade torna-se cúmplice do indivíduo e surgem novas possibilidades de ação. Sinopse: A poeira do abandono paira sobre a cidade e, imediatamente, o vazio torna-se uma potência sensorial. Nada mais existe, apenas mistérios do espaço edificado. Em um único instante, o abandono instaura percepções poéticas: memória enquanto passado; atenção enquanto presente; e espera enquanto futuro. A previsibilidade dos sentidos é apagada, e o espaço, ainda articulado, agora é entregue ao jogo do acaso em um intervalo de excitante exploração onde tudo é capaz de gerar poéticos eventos; é momento de [des]construção. O que antes não era visto, hoje é construído a partir do vazio como elemento responsável por fornecer ao indivíduo a produção de novas dimensões, a liberdade. É momento de construção.
doi:10.15210/pixo.v1i2.11689 fatcat:lnupe4cxf5hs5eiammoecit5ce